Posts Tagged ‘Cultura

24
abr
12

4 razões para ser homofóbico

Ultimamente odiar gays/lésbicas/travestis e tudo que for possível ser, ta na moda. Temos como principais fomentadores dessa cruzada “anti-gay”, Bolsonaros/Crivellas/Malafaias/R.R. Soares da vida. Irei mostrar um dos principais argumentos (não dá pra chamar disso, mas eles juram de pé junto que são) para ser homofóbico – de acordo com os intelectuais pró-morais e bons costumes.

1 – Pois a palavra de Deus (bíblia) condena isso! EM O NOME DE JESUS!

Apesar de não ser uma exclusividade protestante odiar gays, é bem comum vermos o ódio disseminado por algumas figuras específicas. Como o próprio Silas Malafaia, da Universal, uma das mais lucrativas representativas desse nicho.

Afirmam que a bíblia condena relações homossexuais e sodomia, assim como sexo antes do casamento e que as mulheres falem sem a permissão dos homens. Também diz que devemos apedrejar adúlteras e oferecermos nossas filhas para estupradores, afim de resguardar nossos hóspedes. Sem esquecer de mencionar que devemos estar prontos para sacrificar nossos filhos, caso Deus peça.

Sinceramente, a bíblia não deveria ser utilizada como guia ou parâmetro para ninguém em 2012. É um livro velho, escrito por diversos autores ao longo de anos, refletindo uma moral/ética absurdamente antiga e pertinente aquela época. Sequer sabe-se quem foram os autores do velho testamento, para afirmarem com tanto fervor ser a palavra de Deus – Não, é a palavra do homem e sua grande criação – deus.

2 – Isso é imoral! Queremos os velhos costumes e a família de volta!

Esse tópico é altamente ligado ao primeiro – pois naturalmente essa moral terá como base alguma religião. N0 caso do Brasil predominantemente a cristã. Família tem que ter pai/mãe/filhos. Nunca pai/pai ou mãe/mãe. Bem esse “argumento” não se baseia em nenhuma estrutura séria ou lógica. Apenas nos dão uma estrutura de família que é considerada a certa X sendo o Pai, Y sendo a mãe e Z¹, Z², Z³ e etc sendo filhos.

Partindo que essa é a equação correta X+Y+Z¹²³ = família, então realmente não há por onde escapar. Acontece que aonde diabos isso tá escrito? Quem disse que essa equação é a correta e que nada que se difere disso pode funcionar? Ninguém disse. Nós dissemos e tomamos por verdade absoluta. Família pode ser qualquer coisa, desde que você queira chamar assim. Não necessitamos laços de sangue tampouco ser da mesma espécie (filhos adotivos e até bichos de estimação são considerados famílias). Querer usar de um argumento falacioso, baseado no porra nenhuma que um Y+Y+Z¹²³ ou X+X+Z¹²³ não possa constituir família é idiota. Expressa apenas uma moral que VOCÊ possui, mas infelizmente (para você, que pensa assim) ela não molda a realidade. Por favor, não tentem impor sua ética e moral para os outros – você pode estar tremendamente errado.

3 – Não é natural! Na natureza não existem bichos “bichas!”

Errado. Existem diversos comportamentos já registrados de relações homossexuais na natureza. Com alguns felinos (leopardos) e com diversos primatas.
Em 1999 um zoólogo canadense chamado Bruce Bagemihl publicou um livro chamado “Biological Exuberance” aonde retrata seu estudo e observações a respeito de mais de 450 espécies distintas. Diversas delas possuiam relações homo além da hétera. Outros estudos apontam que em algumas destas espécies (especialmente aves) as relações homossexuais são mais vantajosas para criação e cuidado dos filhotes, por exemplo. Levaria uns 40 posts para citar todos os estudos e observações feitas acerca de relações homossexuais na natureza – portanto aos curiosos e defensores desse argumento estúpido – google it.

4 – É uma doença e pode ser curada!

Essa é a mais hilária de todas. Já ouvi várias vezes pessoas com o papo “Awww tem uns estudos ai, que provam que é falta de “uma coisa” no cérebro da pessoa que deixa ela gay.” Gostaria que alguém que estivesse lendo isso e sabe de um estudo destes, me mostrasse. Sinceramente nunca vi, por mais que eu procure, alguma coisa que demonstre isso. Todos os estudos que conheço cairam por terra (especialmente os endócrinos, que algumas décadas atrás, acreditava-se ser hormonal). Alguns psicólogos (com a ajuda do sangue de cristo) se dizem capazes de “curar” um gay. Através de terapia, palavra de deus e…er…enfim, eles dizem ser capazes disso.
Vale ressaltar que o conselho federal de psicologia já se manifestou acerca desses “psicólogos” e condenou essa prática, por não existir NADA SÉRIO que comprove que homossexualidade é uma doença, tampouco algo passível de ser tratado.
Vai uma das fontes da notícia, para os mais céticos – aqui.

Bem isso cobre as principais argumentações que vejo rolando por ai…bem só falta agora usarem a física quântica para explicar por que ser gay é anti-material ou “prejudicial para o equilíbrio cósmico”. Estou ansioso para ouvir essa!

Anúncios
10
nov
09

Sujeito

Bem mais uma vez o meio acadêmico influencia um post. Recentemente na aula de sociologia e cultura, temos de realizar uma tarefa utilizando dois conceitos chaves – Amor (mais relacionamentos o foco) e Sujeito pós-moderno. Para tal lemos uns capítulos de um livro de Stuart Hall e um quadrinho chamado “Espinafre de Yukiko”. Não entrarei em detalhes do quadrinho, mas falarei um pouco de meu entendimento até então da idéia de fragmentação do sujeito contemporâneo.

Sujeito – fragmentos?

Uma das principais características defendidas por Stuart Hall em seu livro é da pluralidade de um sujeito. Em uma explicação simples – o sujeito pós-moderno está constituido de diferentes identidades. Muitas destas levam o mesmo a incoerências. Ilustraria isso de uma maneira bem simples – Imagine um ponto e deste ponto saíssem vetores nas diversas direções possíveis. E com forças diferentes também. Isso seria uma leve idéia dessas “opiniões” e “identidades” que causam a fragmentação do sujeito. Como se o “puxassem” para caminhos distintos, no final deixando-o “perdido”. No livro ele ilustra isso com um caso prático. Não irei me aprofundar como o autor.

O sujeito fragmentado pelo que entendi constitui incoerências a nível de identidade (não consegui imaginar uma fragmentação sem que haja incoerência de idéias). Não que isso seja de fato algo “negativo” a priore. Talvez a idéia de sujeito fragmentado venha de uma contestação do “ser humano” em qual razão de ser? De estar aqui? Por que existo?

Uma coisa não ficou clara para mim. Eu entendi até certo ponto a fragmentação do sujeito, mas não consigo imaginar o sujeito antigo como “não” plural. Poderia ser plural em menos aspectos como hoje (devido a difusão de conhecimento, globalização e outros fatores), mas provavelmente sempre foi. Creio que como citou um amigo meu, não é o sujeito que está fragmentado agora, mas sim a visão acadêmica que mudou em relação ao “eu”. Os estudos sociológicos/antropológicos caminham nesta direção em boa parte.

Logicamente iremos achar escritores que discordam dessa fragmentação e porventura da visão de Stuart Hall. Perfeitamente possível até, visto que é uma hipótese (o que Stuart deixa bem claro no primeiro capítulo, acho ótimo cientistas/estudiosos terem esse cuidado ao apresentar suas idéias). Confesso que ainda não peguei nada que discordasse dessa idéia de “pluralidade” do sujeito para ler ainda.

O assunto está bem “fresco” ainda para mim. Portanto se o post ficar sem uma noção de “conclusão” é normal. Não tenho ainda uma conclusão minha do que seria de fato essa visão de sujeito plural/fragmentado. Irei avançar um pouco mais a respeito desses conceitos e pretendo trazer o que for descobrindo para vocês, caros leitores!

Abraços a todos e boa semana!




Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.