Posts Tagged ‘Biologia

24
abr
12

4 razões para ser homofóbico

Ultimamente odiar gays/lésbicas/travestis e tudo que for possível ser, ta na moda. Temos como principais fomentadores dessa cruzada “anti-gay”, Bolsonaros/Crivellas/Malafaias/R.R. Soares da vida. Irei mostrar um dos principais argumentos (não dá pra chamar disso, mas eles juram de pé junto que são) para ser homofóbico – de acordo com os intelectuais pró-morais e bons costumes.

1 – Pois a palavra de Deus (bíblia) condena isso! EM O NOME DE JESUS!

Apesar de não ser uma exclusividade protestante odiar gays, é bem comum vermos o ódio disseminado por algumas figuras específicas. Como o próprio Silas Malafaia, da Universal, uma das mais lucrativas representativas desse nicho.

Afirmam que a bíblia condena relações homossexuais e sodomia, assim como sexo antes do casamento e que as mulheres falem sem a permissão dos homens. Também diz que devemos apedrejar adúlteras e oferecermos nossas filhas para estupradores, afim de resguardar nossos hóspedes. Sem esquecer de mencionar que devemos estar prontos para sacrificar nossos filhos, caso Deus peça.

Sinceramente, a bíblia não deveria ser utilizada como guia ou parâmetro para ninguém em 2012. É um livro velho, escrito por diversos autores ao longo de anos, refletindo uma moral/ética absurdamente antiga e pertinente aquela época. Sequer sabe-se quem foram os autores do velho testamento, para afirmarem com tanto fervor ser a palavra de Deus – Não, é a palavra do homem e sua grande criação – deus.

2 – Isso é imoral! Queremos os velhos costumes e a família de volta!

Esse tópico é altamente ligado ao primeiro – pois naturalmente essa moral terá como base alguma religião. N0 caso do Brasil predominantemente a cristã. Família tem que ter pai/mãe/filhos. Nunca pai/pai ou mãe/mãe. Bem esse “argumento” não se baseia em nenhuma estrutura séria ou lógica. Apenas nos dão uma estrutura de família que é considerada a certa X sendo o Pai, Y sendo a mãe e Z¹, Z², Z³ e etc sendo filhos.

Partindo que essa é a equação correta X+Y+Z¹²³ = família, então realmente não há por onde escapar. Acontece que aonde diabos isso tá escrito? Quem disse que essa equação é a correta e que nada que se difere disso pode funcionar? Ninguém disse. Nós dissemos e tomamos por verdade absoluta. Família pode ser qualquer coisa, desde que você queira chamar assim. Não necessitamos laços de sangue tampouco ser da mesma espécie (filhos adotivos e até bichos de estimação são considerados famílias). Querer usar de um argumento falacioso, baseado no porra nenhuma que um Y+Y+Z¹²³ ou X+X+Z¹²³ não possa constituir família é idiota. Expressa apenas uma moral que VOCÊ possui, mas infelizmente (para você, que pensa assim) ela não molda a realidade. Por favor, não tentem impor sua ética e moral para os outros – você pode estar tremendamente errado.

3 – Não é natural! Na natureza não existem bichos “bichas!”

Errado. Existem diversos comportamentos já registrados de relações homossexuais na natureza. Com alguns felinos (leopardos) e com diversos primatas.
Em 1999 um zoólogo canadense chamado Bruce Bagemihl publicou um livro chamado “Biological Exuberance” aonde retrata seu estudo e observações a respeito de mais de 450 espécies distintas. Diversas delas possuiam relações homo além da hétera. Outros estudos apontam que em algumas destas espécies (especialmente aves) as relações homossexuais são mais vantajosas para criação e cuidado dos filhotes, por exemplo. Levaria uns 40 posts para citar todos os estudos e observações feitas acerca de relações homossexuais na natureza – portanto aos curiosos e defensores desse argumento estúpido – google it.

4 – É uma doença e pode ser curada!

Essa é a mais hilária de todas. Já ouvi várias vezes pessoas com o papo “Awww tem uns estudos ai, que provam que é falta de “uma coisa” no cérebro da pessoa que deixa ela gay.” Gostaria que alguém que estivesse lendo isso e sabe de um estudo destes, me mostrasse. Sinceramente nunca vi, por mais que eu procure, alguma coisa que demonstre isso. Todos os estudos que conheço cairam por terra (especialmente os endócrinos, que algumas décadas atrás, acreditava-se ser hormonal). Alguns psicólogos (com a ajuda do sangue de cristo) se dizem capazes de “curar” um gay. Através de terapia, palavra de deus e…er…enfim, eles dizem ser capazes disso.
Vale ressaltar que o conselho federal de psicologia já se manifestou acerca desses “psicólogos” e condenou essa prática, por não existir NADA SÉRIO que comprove que homossexualidade é uma doença, tampouco algo passível de ser tratado.
Vai uma das fontes da notícia, para os mais céticos – aqui.

Bem isso cobre as principais argumentações que vejo rolando por ai…bem só falta agora usarem a física quântica para explicar por que ser gay é anti-material ou “prejudicial para o equilíbrio cósmico”. Estou ansioso para ouvir essa!

Anúncios
03
ago
10

O Gene egoísta – Intro

Olá!

Tempos sem postar, férias. Férias que aproveitei absurdamente bem. Foram ótimas. Agora as aulas começaram junto com os estudos.

Recentemente adquiri O Gene Egoísta (presente de minha namorada ninja que encontrou a edição de 89 ainda!) do ilustre Biólogo/Zoólogo Richard Dawkins. Estava atrás deste livro fazia um tempo e agora finalmente tenho minhas mãos sobre ele. =)

Logo no início, feita as considerações e resenhas têm-se a introdução do próprio Dawkins a respeito do livro.

O nome vem da conclusão e argumento central do livro – Somos máquinas programadas por nossos genes com intuito de replicá-los e assegurar sua sobrevivência. Escravos guiados por nossos genes. Egoísta pois teoricamente nossos genes nos usam para que se repliquem (reproduzam-se) com intuito de sobrevivência.

Dawkins analisará os comportamentos percebidos em nós humanos e nos animais – Egoísmo e Altruísmo.

De acordo com Dawkins, até mesmo por questões genéticas, somos egoístas. E infelizmente (isso frisado até mesmo por ele) os egoístas tem maior chance de sucesso (não só em humanos, mas especialmente nas outras espécies). Algo curioso a respeito disso foi a menção que ele faz ao dizer que temos de ensinar nossos filhos valores altruístas, como se importar com o próximo, repartir e ajudar. Normalmente só o fazemos diante a uma atitude egoísta da criança. Como se fosse natural querermos nosso benefício próprio acima do próximo. Ao ensinarmos práticas altruístas estaríamos nos “rebelando” contra nossos genes? Uma pergunta que faço e espero que seja respondida ao longo do livro.

O livro não serve de guia moral e nem tenta passar isso. O próprio Dawkins deixa isso bem claro, que o que se encontra no livro, são constatações provenientes de seu estudo e análise de artigos.

Se as pessoas ao lerem o livro se sentirem satisfeitas para praticar atitudes egoístas com a desculpa que estão apenas seguindo “sua natureza”, por favor menos cara de pau e mais inteligência.

Em suma – esse post introdutório será o primeiro de uma série que farei acerca de cada capítulo ou argumento que eu achar interessante no processo de leitura. Tentarei trazer a visão do autor juntamente com a minha de concordância ou discordância.

Então nos próximos posts saberemos mais acerca do livro e uma das correntes da sociobiologia. A memética e a teoria da evolução cultural, creio eu, serão um dos capítulos mais empolgantes!

30
out
09

Memética e seus memes…

Olá a todos! Bem, como prometido irei falar sobre os tais “memes“, título de um dos meus posts atrás (alguns “scrolls” abaixo). Antes de mais nada um bom fim-de-semana e feriado para todos! Tendo desejado isto, vamos então.

Memes? Genes? Semelhança ou mera coincidência?

Pois é. Não é coincidência não. O termo “memes” surgiu de “genes“. Esse termo foi cunhado por Richard Dawkins, em seu Livro “O Gene Egoísta”. O meme funciona como um gene, só que ao invés de ser responsável por fenótipos, este seria responsável por nossas variantes culturais.

O meme se comportaria como um gene, mas do contrário do gene (que é uma sequência de DNA) o meme não tem sua exatidão física. Muitos autores se confundem. O meme existe apenas em nossos cérebros ou pode ser todo produto cultural? Ao pintarmos um quadro poderíamos conferir-lhe a atribuição de um meme? Afinal se o meme são nossas “características” culturais (assim como no gene, nossos genótipos que são passados adiante) por que não? Essa é uma das interrogações dessa teoria.

Mas afinal, pra que?

A teoria da memética, surgiu com o intuito de estender o evolucionismo de Darwin para a cultura. Uma forma de se aplicar os princípios de Darwin para nossas variantes culturais. Arte, religião, padrões de estética, línguas, etc todas seriam fatores meméticos portanto transmissíveis como características. A idéia da “herança” cultural, que para mim faz muito sentido. Claro que não me aprofundei na memética ainda. Estudei pouco sobre isso ainda, mas por hora me parece bastante interessante.

Como funciona?!

Bem essa parte é um pouco mais complicada. Irei explicar como entendi (ou seja, procurem por fontes mais confiáveis quanto a isso). A característica chave dos memes, é que são passados por imitação (do contrário dos genes, que é sexualmente). Se observarmos tendemos a imitar comportamentos e padrões existentes em nossas culturas. Isso seria como a memética funciona. A grande diferença do meme para o gene neste ponto, é que o meme não tem a precisão de replicação como o gene. Afinal o meme não é tão “mecânico” como um gene, podendo sofrer alterações com o passar do tempo (com muito mais facilidade e frequência que os genes), gerando as variantes culturais e peculiaridades (assim como no gene, as mutações acontecem, mas em menor frequência). Por exemplo se um cachorro perde uma das patas (isso “altera” o seu fenótipo, por assim dizer), mas ao se reproduzir essa informação não irá alterar o seu genótipo. Com os memes isso não acontece. Essas mudanças ocorridas afetam o que seriam seus “genótipos ” e “fenótipos” meméticos.

A memética é utilizada por Dawkins (e creio que mais alguns autores) para esboçar uma explicação para as crenças tão presentes em quase a totalidade das culturas existentes (desde as tribos que acham o fogo um deus, quanto as mais comuns no Brasil, como o cristianismo).

Um dos princípios da seleção natural, seria que características inúteis e irrelevantes para a sobrevivência humana, naturalmente seriam eliminadas ao longo do processo. Pois bem, na memética se aplicássemos a mesma lógica seria um sinal que as crenças não são tão inúteis como podemos pensar. Claramente, apenas uma teoria. Particularmente não consigo pensar no Evolucionismo de Darwin aplicado em sua totalidade a memética. Acho que algumas diferenças deveriam ser observadas e voltadas para o estudo em particular.

A memética possui um conceito mais amplo que o que eu acabo de esboçar aqui logicamente. Necessitaria de um bom aprofundamento neste assunto (pretendo pegar o Gene Egoísta de Dawkins) e tentarei aprofundar melhor a questão.

Deixarei em aberto, pretendo retornar a este assunto o quanto antes, achei muito interessante tal teoria! Abraços a todos e até breve!




Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.