Arquivo para abril \04\UTC 2014

04
abr
14

Startup Weekend Favela 2014

Olá internet! Agora que arranjei uns minutos para respirar e por tudo em perspectiva, irei dividir um breve post a respeito da Startup Weekend realizada no morro da Providência este ano. A primeira vez que este evento acontece em uma comunidade do Rio de Janeiro misturando o universo do empreendedorismo e inovação com o rico ambiente cultural e humano que é a comunidade da Providência.

O evento em si dispensa apresentações, o Startup Weekend já acontece pelo mundo todo fazem uns bons anos. O evento basicamente é uma grande JAM, aonde times devem criar uma startup/negócio em aproximadamente 54 horas. Alguns participantes logo no início fazem um pitch (apresentar uma idéia em 60 segundos) e uma votação ocorre. Ao final, as 9 idéias mais votadas são levadas adiante. Os grupos se formam de maneira espontânea, você corre atrás da idéia que quer trabalhar e os trabalhos começam nos dois dias que seguem.

No final 9 idéias foram escolhidas sobre temas diversos: lixo nas comunidades, cultura, geração de renda e um projeto que me chamou a atenção – criado pelo Hudson, um rapaz de 19 anos que mora na comunidade do Borel – A inserção dos e-sports (jogos digitais como esportes) nas comunidades. Sabe aquela história de termos escolinha de futebol nas favelas? Que tal uma escolinha de League of Legends, Battlefield, Crossfire, Starcraft, Dota, etc? Gerar inclusão digital e levar essa cultura gamer para as comunidades.

Achei a idéia fantástica, pois também sou um gamer e já estudei muito a respeito do processo de criação de jogos, mas acima disso acredito que jogos são uma mídia fantástica. Possuem um potencial enorme tanto para o entretenimento, quanto para o lado educativo. Acreditem se quiser – aprendi inglês graças a Diablo II, o que me permitiu mais tarde, passar no TOEFL e conseguir uma bolsa de estudo. Comigo foi um processo não guiado e sem pensar. Não jogava Diablo II com o intuito de aprender inglês, precisava aprender pois a economia do jogo era baseado em trocas. Como iria barganhar se não sabia me comunicar? Então era dicionário português-inglês na mão e muita tentativa e erro.

Agora a idéia é – como transformar isto num método afim de explorar este potencial nos jogos, de maneira eficaz? Usar jogos que não possuem finalidades pedagógicas como uma ferramenta extra aos entediantes livros e quadros negros das salas de aula. A idéia do Hudson era apenas fomentar a cultura gamer profissional nas comunidas, mas logo logo ao batermos um papo vimos que o projeto poderia se desdobrar muito além daquilo.

A grande Jam então começou. Nosso grupo era diverso, eu como designer, moradores de outras comunidades (conhecimento tácito e local), empreendedores, desenvolvedores, etc. Começamos a etapa da modelagem de negócios com o Canvas. Pensar estratégias, segmentos de clientes, geração de renda, etc. A mentoria foi excelente, nos ajudando muito. Uma das mentoras, a Lindália, Diretora de Inovação da Estácio, nos colocou em contato direto com o ex-presidente da Intel para batermos um rápido papo a respeito do mercado dos jogadores profissionais. Foi sensacional.

Assim nascia a Incoming Brasil Games – a primeira startup focada na profissionalização de gamers nas comunidades do Rio de Janeiro. O evento seguiu. No último dia um campeonato piloto foi realizado em uma lan house local. Validando a idéia/formato de campeonatos. O primeiro lugar ganhou uma bolsa de estudos em um curso profissionalizante, de um dos patrocinadores que estavam no evento. Descobrimos através dos próprios gamers da comunidade, que o mercado é enorme e a procura por esse tipo de fomento também.

A Incoming Brasil Games ficou em segundo lugar, mas foi como se tivéssemos ficado em primeiro. A comoção do pessoal, a chuva de parcerias/pessoas interessadas no projeto e no próprio Hudson (criador da idéia) foram imensas. Aos mais descrentes no início (jogos são coisa de desocupados) foi um belo aprendizado – jogos são uma mídia única e fazem o que um livro, filme, música – dê o nome – não conseguem. Não no sentido de serem superiores, mas no sentido de possuirem elementos muito mais abrangentes e com potenciais que nem mesmo a indústria dominou ainda.

Minha lição? Aprendi que existem empreendedores incríveis nas comunidades e que idade não faz a menor diferença (o primeiro lugar foi um senhor de 70 anos, com uma plataforma de saúde). Percebi que é necessário a criação de ambientes como a startup weekend, mas de maneira sistemática. Existir um espaço nas comunidades permanentes para isso, aonde outros “Hudsons” possam tirar suas idéias do papel e ao mesmo tempo impactarem suas vidas e de outras pessoas positivamente.

Em resumo – troca de experiências, networking, idéias inovadoras e um espaço altamente produtivo. Essas são minhas palavras chaves para o Startup Weekend Favela.

 

Anúncios



Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.