23
jun
12

Neofobia 2

Ele fazia aquele mesmo caminho todo dia.

Dia após dia, passa em frente a lojinha. Até que um belo dia lá estava a gaiola e aquele passarinho que havia sumido. Curioso o rapaz resolveu se aproximar e conferir se era mesmo aquele passarinho de antes.

Chegou perto da gaiola e o passarinho estava encostado ao fundo da gaiola. Suas penas estavam secas e sem brilho, algo estava errado. Resolveu averiguar:

– Ei, ei! O que aconteceu com o passarinho? – perguntou o rapaz chamando o dono da loja que estava nos fundos.
– Ah, você de novo? Que é? Veio tentar roubar o meu passarinho novamente?!
– Não. Quero saber o que tem de errado com ele.
– Ele não tem nada de errado. – Disse o vendedor, enquanto se aproximava. Tirou um pedaço de pão dormido do bolso e jogou algumas cascas dentro da gaiola – o passarinho se mexeu lentamente e parecia estar comendo elas.
– Hmmmm…lembro que as penas dele eram bem mais brilhantes e volumosas. Agora…mal dá para reconhecer ele.
– Olha rapaz, você realmente acha que eu maltrato ele? Façamos um acordo então – eu abrirei a gaiola – se ele sair voando, deixarei ele partir, no entanto, se ele permanecer dentro da jaula você promete que não me aborrecerá mais a respeito deste passáro?
– Combinado. – disse o rapaz em voz firme.

O dono abriu a gaiola e estendeu a mão. O pássaro caminhou lentamente até a entrada e com muito esforço pulou para a mão do vendedor para comer as migalhas de pão que ainda restavam em sua mão.

– Hahahahahaha! – Riu o vendedor – Você viu só? Ele não quer ir embora rapaz, se o quisesse certamente o faria. – Disse o vendedor enquanto colocava o pássaro na gaiola novamente. – Agora vá, tenho que cuidar de minhas coisas e não volte mais a me aborrecer.

O rapaz ficou ali. Olhando para a gaiola. O pássaro voltou-se pro fundo da gaiola e ficou lá, imóvel. O rapaz abaixou e pegou um punhado de penas do passarinho que haviam caido no chão. Pegou-as colocou em seu bolso e disse:

– Apenas uma lembrança. Espero que não se importe. Adeus passarinho.

Desceu os degraus da lojinha e seguiu seu caminho. O sol estava radiante.

Nem tudo que está quebrado pode ser consertado. Algumas coisas simplesmente são e estão. Não querem ser.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.


%d blogueiros gostam disto: