Arquivo para fevereiro \28\UTC 2012

28
fev
12

Neofobia

Tinha aquele passarinho.

Vivia naquela gaiola. Sempre. Ficava lá. Cuidava de sua vida, fazia suas coisas.

De vez em quando abriam a gaiola e davam comida e um pouco de água. O passarinho tentava voar em direção a mão que lhe alimentava, mas rapidamente ela se retirava e fechava novamente a gaiola.

O passarinho comia e bebia. Vistoso sempre com suas penas brilhantes. Dourado e preto.

Eu passava todo dia em frente aquela lojinha e via aquele passarinho. Não estava a venda, era de estimação do vendedor.
“Esse passarinho é meu. Não está a venda.” – dizia firme o vendedor.

Todo dia passava pela lojinha e o passarinho batia as asas com força de dentro da gaiola para voar. Curioso. Como se tentasse me dizer alguma coisa.

Um dia resolvi – “Hoje eu solto aquele passarinho, dane-se o dono! Aquele passarinho é muito belo para ficar preso!”

Passei em frente a loja e corri direto para a gaiola. O dono mal notou, estava atarefado demais arrumando as prateleiras da loja. Abri a gaiola e falei bem alto “Vai, voa rápido! Seja livre!” – o passarinho ficou imóvel lá dentro. O dono ouvindo minha voz correu para ver o que era e zangado fechou a gaiola – “Você tá doido menino?! Esse passarinho é MEU!”

Sem entender fiquei olhando o passarinho…ele me olhava com remorso. Sai da loja e segui sem entender.

Passo pela loja todos os dias, mas o passarinho sumiu e sua gaiola também.

De que vale o peso das palavras? De que vale as palavras quando não se tem nada a perder?
Palavras, apenas palavras.
Não valem de nada, palavras.

Anúncios
22
fev
12

Aibofobia

É óbvio.

Depois de tudo, guerras travadas. Tivemos perdas em ambos lados. Muito se perdeu nesta guerra.

Acontece que depois disso tudo não aproveitar da vitória e jogar a vida de todos os que se sacrificaram fora – como dizer para a família de cada um – “Ei, a morte do seu filho foi em vão. Tenha um bom dia.”

Aw, ninguém quer ser o porta-voz das más notícias. Nunca.

Os perdedores ficam lá, chorando suas mortes e sendo execrados. Decisões, decisões…sempre decisões.

A vagabunda. Da mentira.

Essa sempre acontece quando não se espera, acontece que estamos sempre de prontidão, como bons escoteiros. A mentira vem e não causa tanto assim. Já me disseram uma vez – sinceridade é superestimada – talvez seja mesmo. A quem ela faz bem? A quem diz ou a quem ouve? Será?

Não faz diferença – os fatos estarão sempre lá – portanto rebole o quanto quiser. Sapateie, dance – trabalhe melhor suas desculpas – mentir bem é difícil, todos nós sabemos, especialmente se tiver algum caráter, mas nada que um bocado de treino não resolva.

Mudando de assunto – ouvi dizer que algumas oportunidades em nossas vidas são sempre únicas – perdê-las pode ser uma tremenda burrice. Nem sempre por mal, mas…quem disse que a vida é justa não?

Metáforas, parábolas, indiretas, diretas – classifiquem como desejar.

Não faço sentido nem nunca fiz – não seria a hora de mudar.




Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.