Arquivo para janeiro \09\UTC 2012

09
jan
12

Não há fadas no jardim.

Era um pequeno povoado. Pequeno mesmo. Cerca de 50 habitantes…homens, mulheres e um punhado de crianças.

Viviam em meio a floresta onde tinham água, comida e caça. Eram bons agricultores e plantavam de tudo…de tudo que a terra e o clima permitiam.

Mas a sobrevivência deles, de acordo com o líder do povoado, possuia apenas um culpado – as fadas que habitavam aquela região – sempre garantindo boas colheitas e fartura nas caças. Todo mês separavam mais da metade de seus suprimentos estocados para oferecer as fadas. Iam de tardinha, deixavam toda a comida e partiam antes da meia noite – horário que as fadinhas vinham coletar as oferendas.

Uns diziam que eram ninfas, belas com asas, outros diziam que eram parecidos com leões e possuiam asas de águia. Alguns diziam até ter conversado com as fadinhas, mas fato era que não havia um consenso – cada um pintava a imagem das fadinhas como bem queriam.

Alguns meses se passaram e a situação não estava boa…a caça havia se esgotado e o solo também. As colheitas já não eram mais fartas e começava a faltar carne na mesa. Preocupados os líderes do vilarejo se reuniram, temendo que a falta de alimento prejudicasse a oferenda às fadas, complicando ainda mais a situação. Apesar da situação crítica, era unânime – não poderiam faltar com as fadas, que tanto fizeram por eles por todos esses anos…algo de errado devia estar acontecendo, mas com certeza era só esperar que as fadas iriam resolver. Bastava que fizessem sua parte – dar metade de todo seu suprimento em oferta.

Sem que notassem, apenas um jovem do vilarejo decidiu se esconder próximo ao local da oferenda. Após o ritual ser feito e os alimentos postos no local, todos foram embora menos ele. Escondeu-se em um rochedo próximo. Resolveu ficar lá para tentar conversar com as fadas, ele precisava descobrir o que havia de errado para tentar ajudar sua vila. Sua irmãzinha chorava toda noite com fome, pois não tinha o que comer devido ao racionamento – que reduzira a 1 refeição por dia sua rotina. Ele queria fazer um apelo aquelas doces fadinhas que haveriam de lhe atender, afinal sempre estiveram lá por tantos anos.

Horas, dias, semanas…bebia água do riacho próximo e comia um pouco da comida oferecida…afinal elas teriam que entender, ele tinha muita fome e precisava esperar por elas lá…após 4 semanas fora encontrado por um grupo de homens do vilarejo, dizendo que já procuravam por ele fazia semanas devido a seu sumiço. O jovem explicava aflito que não haviam fadas! Que ele havia ficado escondido ali o tempo todo e que quem acabava devorando as oferendas expostas, eram a fauna local. Ele viu tudo acontecer.

Os homens furiosos lhe perguntaram como havia se mantido por 3 semanas ali. Ele mostrou o riacho próximo e disse que havia comido um pouco da oferenda para se manter, mas que mais da metade fora devorada por animais da floresta. Irritados arrastaram o jovem de volta para a vila e o julgaram. Disseram que ele havia comido toda a oferenda e por esta razão as fadas não ajudariam mais o vilarejo – ele havia condenado a todos.

O rapaz chorava e tentava explicar os fatos, mas era abafado pelos gritos e vaias de ódio dos habitantes. O líder disse que somente sacrificando o próprio menino como sinal de boa fé, mostraria que eles não concordavam com o que o menino havia feito – sua morte mostrará as fadas que nós não tivemos nada com isso!

Assim foi feito. O jovem foi morto e oferecido no mesmo local de oferendas. Deixaram seu corpo lá e foram embora, pouco antes do anoitecer. Ele ficou lá…servindo de alimento para os animais da floresta…

Poucos meses depois todos morreram devido a fome. Não se mudaram para terras novas, pois um dia as fadinhas havia de lhes salvar…

Anúncios



Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.