21
nov
10

Cotidiano – Fúria

Um “rage” post, por assim dizer, portanto não me condenem…sei que todos odeiam algo banal o suficiente pra virar um post. Não sou o único.

Eu odeio pessoas que andam devagar nas ruas.

É ótimo ver como existem civis completamente dispersos e alheios ao utilizarem vias públicas. Logicamente nem todos na rua possuem compromissos ou pressa, mas isso dificilmente justificaria certos comportamentos notados. A definição de via pública é simples e clara – é de todos. Portanto o uso por todos e para todos, deve ser ponderado e feito com respeito ao próximo. Aonde eu quero chegar? Irei demonstrar abaixo.

– Caso 1 – Passeios com cachorros.

Owwwwm! Que cuti-cuti! Levar seu amiguinho felpudo de quatro patas pra dar aquele rolé, bacana, fazer uma cagadinha na rua e depois voltar pra casa. Tão “lecal!” Põe a coleirinha, pega a sacolinha plástica pra recolher os dejetos caninos e põe-se a a passear. Se forem dois cachorros então?! Awww amor duplo! Dose dupla de mel e carinho.

Pois é. Muitos enxergam esse ato simples de levar seu cãozinho pra passear assim. Eu não. Um dos agravantes de esbarrões e entupimentos de vias públicas são esses malditos eventos, onde o cão(es) saem com seus donos para um momento íntimo. O esquema abaixo pode exemplificar a PIOR maneira de se passear com seus cachorros.

O esquema é simples e auto-explicativo. De um lado um muro de concreto de chapisco pronto pra lhe dilacerar a manga da camisa ou estragar sua mochila. Do outro a rua, onde carros ferozes passam em alta velocidade sem o menor dó. A solução? Pular corda com a coleira? Se espremer no muro? Xingar o dono dos cães? Desviar dos carros e arriscar sua vida? Pois é…a escolha é toda sua!

Qual o jeito correto então?! Ora, é muito simples!

Carregue a porra dos cachorros em direção única e mantenha a coleira curta, afim de que fiquem próximos ao seu corpo e não ocupem toda a calçada. Simples, eficiente e você não atrapalha a vida alheia. Bacana!

– Caso 2 – Passeios familiares

Há! Esses são os mais frequentes, especialmente domingos/feriados. Vamos imaginar o quadro: Você saiu e está caminhando pela calçada. Não com pressa, mas gosta de manter seu ritmo de caminhada saudável e eficiente. Logo adiante você avista, por volta de umas 10 jardas pessoas saindo de um restaurante.

Pai, mãe, filhos e avós. Ok, e dai…PERAI!?! AVÓS?!! WTF!

Não, não tenho preconceito com idosos, mas famílias tendem a acompanhar seus idosos nos passeios e devido a óbvias limitações físicas isso só pode acabar em uma coisa – um bloco humano composto por 4 ou mais elementos mantendo TODA a calçada tomada. Já não basta terem ficado quase 3 horas almoçando no restaurante, todos tem de andar juntos lado a lado para falar sobre o preço do chá e dos tempos de guerra…E agora? Chama o 06 e pede pra sair ou trazer o cabo de vassoura? Chora? É…pois é.

Isso não é tudo. Sem contar nos motoristas que param na faixa de pedestre ou em frente a rampa de acesso a deficientes. Esses casos irei dedicar um post especial em breve.

Anúncios

1 Response to “Cotidiano – Fúria”


  1. 1 Leandra
    novembro 22, 2010 às 10:01 am

    huahuauahauahuauah Tô passando mal de tanto rir com o desenho tosco e explicativo!!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.


%d blogueiros gostam disto: