Arquivo de março \31\UTC 2010

31
mar
10

Starlight

Esse post é sobre a Muse – Starlight, uma música que tenho ouvido um bocado ultimamente. Raro é eu ouvir música, mas algumas delas costumam despertar coisas positivas em mim. Ai segue o vídeo e a letra traduzida por mim. A propósito a tirinha está saindo! Aguardem!

Para longe
Este navio está me levando para longe
Para longe de minhas memórias
Das pessoas que se importam se eu vivo ou morro

A luz da estrela
Eu irei seguir a luz da sua estrela
Até o fim de minha vida
Eu já não sei se isso vale a pena mais

Segurar você em meus braços
Eu só queria segurar você em meus braços

Minha vida
Você eletrifica minha vida
Vamos conspirar para reacender
Todas as almas que morreriam apenas para se sentirem vivas

Eu nunca te deixarei partir
Se você prometer não sumir, nunca sumir

E nossas esperanças e expectativas
Buracos negros & revelações, yeah
Nossas esperanças e expectativas
Buracos negros & revelações

Segurar você em meus braços
Eu só queria segurar você em meus braços
Eu só queria segurar…

=)

26
mar
10

3000 – Apocalipse NOW!

Olá a todos! Após um longo jejum de posts, cá estou eu postando algo. Serei breve, não terei assunto específico a tratar neste post, apenas divagarei!

Como o título sugere, meu blog finalmente atingiu a marca das 3000 visitas! Aliás, 3030 hehehehehhe. Fico feliz em saber que cada vez mais recebo visitas e como as pesquisas em ferramentas de busca tem gerado visitas ao meu blog. Muito bom saber que em algum momento, os textos disponibilizados aqui possam servir de ajuda para alguém. Muito bom mesmo!

Algumas semanas atrás tivemos umas notícias bem absurdas envolvendo religiosos – Escândalo da carta de 20 anos atrás denunciando um pedófilo na igreja, onde o papa estaria envolvido no abafamento do caso. Uma comunidade bíblica norte americana que queria apedrejar a baleia que matou a treinadora (aquela do parque aquático) juntamente com o dono do parque, pois permitiu que a baleia continuasse lá.

Novidades para o blog – Um header está em fase de produção. Em breve esse retângulo vermelho sairá e uma imagem bem bacana tomará o seu lugar. Tirinhas – Andei fazendo uns “sketches” essa semana, de um personagem sobre uma possível tirinha que irei lançar aqui. Não tenho data de lançamento nem de peridiocidade para esta tirinha, é um projeto sob avaliação ainda. Preciso achar um método de produção que me satisfaça, atenda minha proposta e seja rápido. Serão desenhadas a mão e nada de computador. Máximo retoques no photoshop, mas a idéia é que pareçam rabiscos despretensiosos. Spoiler que darei de antemão – serão com conteúdo cômico e ligadas a religião. Aguardem!

Link novo – Academic Earth, link passado por um amigo, onde aulas de diversas faculdades FUTITAS (Yale, Harvard, Salsicha, panqueca, etc) estão disponibilizadas em stream para ser vista por todos. Já comecei o curso de biologia evolutiva, muito bom! Recomendo a todos!

Dedico esse post aos meus queridos 3 cavaleiros do apocalipse (comigo somos 4).

Conquista (ou anti-cristo) – Aquele que é neurótico, sarcástico e ácido. Frase preferida  “O problema é que…

Guerra – Aquele que deseja o apocalipse zumbi mais que tudo. Frase preferida “Caguei ó!

Fome – Aquele que está sempre atento a tudo e a todos! Frase preferida “Hã? Que?!

Morte – Aquele que mata o tesão de qualquer um quando conta como foi de viagem. Frase preferida “…”

São meus fiéis companheiros, amigos de conversas sérias e completamente descabidas as vezes. São irmãos de sangue! Brothers in arms! \o7

Estaremos juntos quando o apocalipse zumbi chegar. E iremos levar o inferno a eles!

Abraços a todos e até breve!

20
mar
10

Puzzle box 3

A nível de explicação – Puzzle box pois são textos fragmentos, com alguma relação a minha vida ou não. Textos desconexos, como peças de quebra cabeças. Se eu juntasse todos e o encaixe fosse possível, teríamos um fragmento de quem eu estou, sou, fui. Analogia explicada, vamos adiante. =)

E essa é você. Anos e mais anos se passaram desde nossa mútua descoberta. Nos aproximamos rapidamente, como se já nos conhecessemos a séculos. Era tudo muito colorido e o carinho só crescia. Havia descoberto alguém com quem pudesse ser eu e admirar. Aqueles olhos esmeralda, sempre me fitando, ora com desdem, ora com carinho, ora com ciúmes, ora com manha, ora com alegria! Sempre tivera um sorriso, como eu diria, arrasa quarteirão. Sempre tivemos os mais loucos papos, mais plena confiança. Como era bom.

Tempo passou e nos afastamos. O contato permanecia, mas já não com o esmero de antes. Ainda sim o carinho permanecera. Daqueles que não somem, são imunes ao tempo e o esquecimento. Aquele carinho que fica hibernando e acorda vibrante, quando a gente se vê. Inexplicável, incrível, adorável.

Agora? O que será será! Tenho as mais doces lembranças e sempre que penso sorrio, muito. Sorrio como anos atrás, quando nos conhecemos. Sorrio! Sinto-me leve, livre, pensamentos quase que algodão. Sem exagerar nas figuras de linguagens, expressões ou analogias. Não importa os anos, meses a vida! Essas lembranças carregarei sempre. Sempre serão doces e sempre irei sorrir. Sempre.

Fonte inesgotável. Hahahahahaha. Isso daria um belo testimônio, que ela sempre me pediu. É, quem sabe? =)

18
mar
10

Puzzle box 2

– Cara que foi? Tu tá esquisito comigo faz um tempinho.
– Nada.
– Fala logo, que é?
– Sinceridade? Cansei de ouvir. Simples assim. Acho tu um desperdício de potencial!
– Que?!
– Isso mesmo! Está presa em um relacionament0, na esperança de uma melhora mágica, um pulo de fé.
– Ora essa, que você quer dizer com isso?!
– Há! O óbvio! Casca-fora! Vaza! Bica! A vida é curta demais para se perder prolongando erros. Aprenda isso.
– Aw, lógico! Se a vida é tão curta por que tu tá sozinho então?!
– Por escolha. Até que surge tu, com uma pá de características boas. Desperdiçada, pois está amarrada em uma relação fadada ao fracasso.
– Que…perai, tu tá dizendo que tá afim de mim?!
– Hahahahahaha. Não se iluda garota. Afim não. Reconheço que você possui diversas características que eu aprecio, mas no momento não passa de uma forte atração.
– Aw então você quer só me comer e depois jogar fora? Muito diferente do resto você! Ainda se acha no direito de criticar meu namorado!
– Errado! Veja só, quão previsível podemos ser quando queremos, mas nem sempre acertamos. Sim, sinto atração por você, mas um certo carinho e empatia também. Que poderiam levar a muito mais. Largue a mão de querer me comparar com o “comum”, pois sabe que eu não me encaixo nisso.
– Cara, não to acreditando no que estou ouvindo! Então esse tempo todo tu tava afim de mim e nem me disse nada?
– Não. Já disse. Atraído. Não estou apaixonado nem nada. Vai devagar ai. Não quero depois parecer o vilão.
– Olha, acho tudo muito bonitinho, mas eu tenho namorado. Então melhor parar por ai.
– Hahahahaha! Então sua preocupação é com o seu namorado e não com o que tu sente ou o que você acha disso. Você tem que pensar como uma mulher livre, pra variar. Iria te fazer muito bem. Olha e não se preocupe, o seu “não” já era esperado.
– Então por que tá me dizendo isso tudo?
– Pois precisava. Afinal qual o ponto de não falar?
– Você não tá nem ai pra nossa amizade né? Vem, fala o que quer e dane-se!
– Cara. Sinceramente sim! Não serei hipócrita. Me esconder e nunca dizer isso com receio de consequências. Eu quero realmente que se dane mesmo. Estou sendo estritamente sincero contigo. Se preferia a segunda opção, que pena, eu não sou esse cara.
– Cara…não acredito nisso. Jamais imaginaria essa situação. Cara…que isso! Você tem noção? Você acha que ainda vai dar pra sermos amigos depois disso?!
– Não acho nada. Quem tem de achar é você. Eu já coloquei o que penso e fui sincero. Se quiser se afastar com a pretensão de resolver o problema, azar, não posso fazer nada. Se quiser manter um amizade, veremos, não prometo nada. Do contrário do que você espera, eu não faço promessas, eu não crio esperanças falseáveis. Se esperava outra coisa, mais uma vez desculpe. Não sou esse tipo de cara.
– Olha eu não quero mais falar sobre isso. Quer saber? Vou para casa. Não posso acreditar nisso ainda.
– Ok. Vá. Se quiser falar sobre isso ainda, sabe como me achar. Não falei isso tudo com o intuito de te agredir. Gostaria que você entendesse o quão dificil é, já sabendo que sua reação seria essa. Acontece não é mesmo? Você já passou por isso antes e o afastamento funcionou perfeitamente não é? Que pena, talvez seja inevitável no final. Uma pena que você só consiga ficar chateada em relação a isso.

Ele olhou nos olhos dela por quase 1 minuto após dizer isso. Ela já não tinha mais palavras. Ficou paralizada, olhando, fitando-o na esperança de achar alguma mentira em seu olhar, algum motivo real para que ela realmente pudesse encaixá-lo no modelo de que ela tanto odeia, para que assim pudesse se enganar, justificar. Ela sabia que ele não era assim. Ela sabia.

E ambos partiram em direções opostas, sem olhar para trás…

16
mar
10

Apocalipse Zumbi

Olá pessoas. Após diversos posts sérios resolvi escrever algo nerd e inútil. Pois é. Aqueles assuntos que ninguém pensa, ou se já pensou não durou mais que 2 minutos ponderando acerca do assunto. A graça é ponderar e levar o negócio a sério e pensar nas diversas hipóteses acerca daquele absurdo inútil. É o que farei agora.

Zumbis tem alma?!

Partiremos do pré-suposto que almas existem e funcionam como descritas pelo espiritismo. Visto que essa doutrina detalha com certa especificidade o que seria alma/espírito.

Qual a explicação que o espiritismo dá? Quando morremos, desencarnamos. Nossa alma deixa nosso corpo e vamos para uma espécie de outro plano de existência. Reencarnamos em outro corpo e voltamos a existir neste plano que nos encontramos. Acontece que um zumbi como conhecemos é alguém que morreu e voltou. Acontece que o “voltar” não é como reencarnar, visto que volta-se no mesmo corpo, mas com funções limitadas. Zumbis tem raciocínio limitado, não se comunicam e são ferozes. Quase que bichos, deixando de lado sua essência humana. O homem mais bondoso do mundo, caso virasse zumbi, jamais iria praticar boas ações. Iria querer cérebro!

Colocado o problema, zumbis teriam alma? Vamos pensar. Vampiros na maioria dos filmes/RPGS/livros são considerados mortos-vivos. Zumbis são mortos-vivos também. Acontece que vampiros não morrem para voltar como vampiros, eles se tornam vampiros. Vivem por milhares de anos, mas mantém memórias e traços de suas personalidades. Vampiros podem ser malvados ou bondosos, raciocinam e não necessariamente são ferozes matadores impiedosos. Portanto eu diria que vampiros possuem alma, pois carregam características que somente uma “alma” poderia lhes conferir.

Se vampiros são mortos-vivos e possuem almas, zumbis possuiriam uma também? Vejamos algumas hipóteses.

Sim – Pois se considerarmos o caso de um vírus, como em Resident Evil e afins, o vírus seria responsável pelo comportamento errático das pessoas infectadas, portanto a alma permaneceria. Acontece que como qualquer virose, se não tratada com medicamentos não há alma que resista. No caso de um vírus que nos tornasse zumbis, mediante cura, a pessoa voltaria ao “normal”.

Não – Pois mesmo vírus ou não, as pessoas morrem e algumas horas/minutos após suas mortes retornam no estado errático. Portanto a alma já teria deixado aquele corpo, desencarnado. O corpo seria apenas funções fisiológicas limitadas, controladas pelo vírus que se alastrou naquele sistema. Nada mais que um hospedeiro controlando aquela matéria.

Se não existir porra nenhuma de alma, simples. O vírus altera nossas funções cerebrais e ficamos porra louca devoradores de cérebro, tomamos uma bala na cabeça e cabou-se. Muito mais simples, lógico e elegante. Pena que nem todos pensam assim e essa idéia de “alma/espírito” é bem forte na maioria das pessoas.

Ficando com a primeira hipótese, do sim, aqueles infectados e eventualmente mortos após comerem meio quilo de cérebro, sofreriam muito no “pós-vida”? Iriam sofrer punição por terem cometidos atos terríveis enquanto dominados pelo vírus? Ou os espíritos evoluídos ou o que quer que seja, iriam aliviar a barra e ver que não foi culpa daquela pessoa, pois estava infectada? Hmmmmm.

Bonzinhos, malvados, não me importa. Se eu estivesse nesta situação, iria matar o máximo desses malditos possíveis. Seria como nos filmes, com piadinhas e muito sangue. Talvez eu pirasse de vez, diante de situação tão surreal e virasse um sanguinário matador de zumbis hehehehehehe. “Kill all the son of bitches. That´s my official instructions.” – Ellis

Espíritas de plantão, fiquem a vontade para pensar a respeito. Só não venham com respostas como “zumbis não são possíveis de existir!”, pois para quem acredita numa alma imortal, zumbis seriam tão certos quanto a gravidade.

14
mar
10

Puzzle Box

Era um local perfeito. Tinha recursos hídricos abundantes, nutrientes vindos de diversas fontes e uma atmosfera rica em substâncias favoráveis ao desenvolvimento. Eles dividiam-se em grupos pequenos e moravam em abrigos. Alguns eram pequenos, outros enormes. Não tinha um padrão neste sentido, eram muito diferentes. Alguns nem abrigos tinham.

O que mais me intrigou foi o estudo de alguns destes abrigos temporários. Os grupos que viviam divididos se juntavam determinados momentos, sempre, em um local bem grande. Percebi que existiam inúmeros destes locais centralizadores de grupos, bem diferentes entre si. Através de bastante observação pude perceber um padrão em boa parte deles – um ser, com roupas hora luxuosas, hora espalhafatosas, ficava em um local elevado e falava por todo o evento. Em boa parte desses eventos os outros apenas escutavam. Ficavam bem sérios. Em outros locais semelhantes, emitiam sons, agitavam-se bastante e se jogavam no chão. Algo bem intrigante ao meu ver, mas muito sério para eles.

Estudos mais aprofundados acerca destes dois grupos, revelaram que eles não se misturam nestes locais. Cada um visita o seu. Nos demais eventos, se misturam normalmente, convivem e se comunicam. Mas nestes fenômenos em si, dividem-se em seus grupos específicos. Percebi que o principal motivo para esse separatismo é algo relacionado ao que eles costumam chamar de “ideologia” ou “crença”.

Ao estudar um pouco delas, descobri como esses grupos se chamam. “Católicos” e “Evangélicos”. Os “evangélicos” possuem diversos locais com nomes diferentes e formas de proceder nos eventos bem variadas. Dos mais calmos até os mais agitados. Percebi um padrão mais uniforme quanto ao grupo chamado de “católicos”.

Descobri que ambos acreditam nas mesmas coisas. Um tal de “Deus” e o seu filho “Jesus Cristo”. Seguem o mesmo documento escrito, mas possuem locais de encontro diferentes. Seguem o que costumam chamar de “moral” muito semelhante, mas possuem locais de encontro diferentes. Seguem o mesmo “Deus” e “Jesus”, mas possuem locais de encontro diferentes. Possuem muitas características em comum, mas cada um julga sua ideologia ou “crença” ser mais correta que a outra. Muitos componentes destes grupos tendem a se atacar ferozmente, afim de demonstrar o que eles entendem por “certo” e “errado”.

Me afastando um pouco deste fenômeno, descobri um pequeno grupo que não possui uma “crença”. Foi difícil notar este grupo, pois ele não se difere dos outros em costumes com exceção do não comparecimento a estes eventos regulares, onde a maior parte dos dois grupos mencionados se juntam. Notável ver que os grupos de “católicos” e “evangélicos” se unem ideologicamente contra esse terceiro grupo, que chamarei de “descrentes”. Atacam-os sobre diversos aspectos. Logicamente que esse terceiro grupo revida e uma espécie de embate é levantado. Fico observando o que motiva tal espécie a ter grupos tão distintos? Mais estudos acerca dessa fenomenologia seriam necessários.

Notei um quarto grupo, este foi difícil de apontar, pois está contido em todos os três grupos anteriores. Os chamados por eles mesmos de “fanáticos”. Levam sua crença ou não-crença ao extremo, são intolerantes, agressivos e tendem a se comportar de maneira violenta quando contrariados, nem sempre físicamente.  Este grupo em alguns casos se organizam e promovem eventos que reforçam esse “fanatismo” gerando mais problemas e tornando o fenômeno “crença” ou a negação deste, algo bastante delicado.

Particularmente, após breve estudo desses grupos, especialmente dos fanáticos, conclui que :

– Lidam com um conceito confuso e muito improvável. Eles chamam isso de “verdade”. Pesquisei sobre este conceito nas fontes utilizadas por eles mesmos, afim de entender o que era. Existem tantas “verdades” diferentes e negações das mesmas que o fenômeno “verdade” é algo extremamente inconclusivo. A chave do separatismo ideológico destes grupos se baseia neste conceito. Problema que nem eles mesmos sabem definir o que tanto dizem acreditar saber. Diria que esta espécie de símios está longe de ser considerada evoluída, em relação aos seus ancestrais que vivem em grupos menores e fora das chamadas “cidades”.

11
mar
10

O Segredo – Finale.

Bom, após longa demora (peço desculpas a quem acompanha este blog, ando muito relapso mesmo) irei postar considerações finais acerca deste documentário patético chamado “O Segredo”. Irei abordar dois argumentos muito interessantes com mais profundidade. O do efeito placebo e das “experiências” pessoais inventadas demonstradas pelo documentário.

Efeito placebo? What the fuck?!

Bem em certa altura do campeonato é mencionado o “efeito placebo” no documentário. Aquele que leva a concluir em alguns casos, que a nossa mente pode exercer uma influência sobre nosso organismo. Os testes duplos-cego da farmacologia, demonstram que em muitos casos, as pessoas melhoram de algumas moléstias ingerindo apenas pílulas “de açucar”, sem que saibam. É dito a elas que estão ingerindo a medicação correta. Curioso não? O que isso indica? Eu particularmente diria que isso abre a possibilidade que o nosso cérebro possui mais potencial do que imaginamos. Que de fato nosso pensamento positivo pode influenciar na melhora de uma doença. Pode não é. É uma possibilidade. Talvez um estudo mais aprofundado acerca dos placebos demonstre que esse efeito possui uma causa muito mais simples. Não entrarei neste mérito, pois não é o foco do post.

O problema do documentário, foi utilizar deste estudo para uma interpretação completamente descabida. O estudo não demonstra que nossos pensamentos afetam o externo. Se pensarmos na nossa cura e acharmos que estamos tomando o medicamento verdadeiro, melhoraremos, mas se eu desejar com toda a minha fé infinita que meu amiguinho irá melhorar da doença dele, não irá mudar em nada!

A grande falha do argumento foi justamente essa – pegar um estudo que demonstra X e querer pular pra Y. Acontece que o caminho do X até o Y não foi demonstrado em momento algum no documentário. Apenas “expandem” o efeito placebo para tudo. “Se acreditarmos que estamos tomando um remédio nos cura, logo se imaginarmos a cura do outro também irá surtir efeito.” Não! Pular para essa conclusão ciclópica, exigiria um puta estudo para determinarmos coisas simples como – como é uma “onda” cerebral fisicamente? Magnética? Rádio? Como ela se comporta? Ela sequer existe? Dentre outras. Concluir essa cagada baseada nos estudos do placebo foi um erro gravíssimo. Mais uma vez ponho em cheque que malditos cientistas são esses que participam do documentário? Enfim…

A mulher se curou do câncer! OH MY GOD!

Bom pra ela. E? Então se uma pessoa se cura do câncer de maneira misteriosa (o que eu nem sei se foi, visto que não se deu nenhuma informação acerca) não nos leva a concluir que o universo atende nossos pedidos. Se analisarmos estatisticamente o número de pessoas que possuem câncer e se livram dele “misteriosamente” concluiríamos que o universo ou é seletivo ou não existe porcaria nenhuma de lei da atração. Eu fico com a segunda. Esse exemplo é igual o caso das “curas milagrosas” que os religiosos costumam usar como evidência irrefutável da existência de um deus. O número de pessoas que foi constatado curas misteriosas, são tão poucas, mas tão poucas que mal constituem uma evidência que corrobore sua conclusão. Vai me dizer então que as pessoas que não se curam da AIDS, câncer e qualquer outra moléstia não estão desejando melhorar corretamente? Espero que esse argumento cretino não seja utilizado.

Curioso que para todos que acreditam nessa palhaçada que é O Segredo, ele é algo irrefutável e super explicado – verdade nua e crua. Eles se tornam céticos para tudo, mas quando o papo é o segredo dai o ceticismo vai por água abaixo. Conseguem acreditar numa baboseira dessa que nem sequer consegue ser demonstrado satisfatoriamente em um simples documentário.

Recomendo – assistam. É engraçado e surreal. Parecia o Silas Malafaia/R. R. Soares com aquelas teorias da prosperidade evangélica. Encerro minhas colocações oficiais acerca desse lixo. O Segredo – reinventando a função de deus, mas com uma pitada de pseudo-ciência.




Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.