30
jan
10

O que é o amor?²

Estranhamento. Curiosidade. Indiferença. Provavelmente um dos três sentimentos que algumas pessoas que olharam o “2” no título (potência) devem ter sentido. Utilizei o “2” por um simples motivo – já possuo um post com o mesmo título. O post com esse mesmo título está aqui -> O que é o amor?. Um vídeo acadêmico que fiz em grupo para um trabalho de Sociedade e Cultura. Acontece que devido a restrições disciplinares não pude aprofundar a questão devidamente. Devo admitir que o título para o vídeo produzido por nosso grupo foi deveras pretensioso. Em momento algum o vídeo define o que é amor, salvo suas reações químicas no organismo.

O que é o amor?

Essa é uma questão deveras complexa. Poucas pessoas param para pensar neste sentimento. Apenas costumam sentir algo que associam à amor, devido a experiência prévia do que lhes foi ensinado. Acontece que um sentimento que abrange tantas formas de manifestação diferentes, dificilmente teria uma definição real. Sentimos algo e esse algo por definição de padrões se torna amor. Por exemplo você sente um “gostar” por alguém, algo forte que você jamais sentira antes. Desconhecendo tal sentimento procura descobrir ou conversar acerca do que sente com outras pessoas. Contando tais sintomas para as pessoas elas lhe dirão “Cara, acho que tu tá apaixonado!” Por fim você acaba se convencendo e acreditando que o tal “amor” existe e você o sente. Isso é um exemplo de “amar” que acontece. Obviamente existem diversos exemplos, que infelizmente não poderei citar aqui.

Ok! Disse tudo e não disse nada!

Pois é. Essa é a questão. Amor não tem definição. Arriscaria dizer que o amor como nos é passado não existe. Amor é algo individual, uma percepção do sujeito. Para mim amar é uma coisa. Para o cara do lado amar é bater na mulher, demonstrando que só bate pois ama. Para outros amar é algo tão “profundo” que seriam capazes de matar o seu objeto de amor caso fosse decepcionado. Alguns matariam em nome do amor que sentem por algo, como os religiosos fanáticos o fazem. Como podem existir tantos tipos de “amor” assim? E com que autoridade nós desclassificamos o jeito de “amar” do próximo? Baseado em que? No nosso bom senso? No nosso conceito de certo/errado? No nosso conceito de amar? Quais são os critérios que determinam o “verdadeiro amor”? Sabe quais são? Nenhum. Pois o “verdadeiro amor” não passa de um conceito sem o menor embasamento (mais um deles) criado por nós.

Então você não amaria ninguém?

Amaria sim. Já amei e amo! Muitas pessoas. Acontece que uso o termo “amar” por mera convenção, pois eu não sei o que é que tantos chamam de amar. Vejo pessoas que mal se conhecem e já dizem que se amam fervorosamente. Outras que vivem meses e anos e nunca conseguiram dizer que se amam. Afinal como saber o que é amar de verdade?! Não há segurança para tal! Apenas isso que penso. Apesar dessa indefinição e minha compreensão do que seria o “verdadeiro amor” eu diria que creio nele. Pois já o senti/sinto em relação a diversas pessoas. Ceticamente falando – sinto o que seria classificável como amor por diversas pessoas. Agora se realmente é ou não é amor, não saberia dizer.

Amor = fé?!

Uma questão um tanto pertinente. Eu diria que muitos aspectos gerais sim. Falando por mim, não. Acho que amar uma pessoa ou objeto que existem é bem diferente de amar algo que não se tem a menor idéia de sua existência. Obviamente que a existência ai passa pela razão e grande parte dos que acreditam em deuses, tal existência, passa pela emoção. “Sentir o amor” do espírito santo sobre suas cabeças. Eu diria que o amor até certo ponto é evidenciável. Saber se uma pessoa te ama através das ações dela contigo. Jeito de olhar, carinhos, toques e etc. Claro que infelizmente isso irá passar por um julgamento individual seu – caso as ações daquela pessoa estejam de acordo com o seu padrão de amor, logo você verá evidências que ela te ama. Portanto não é algo realmente seguro de ser evidenciado.

Apenas assim. Amamos muitas vezes sem saber, sentimos, choramos nos deixamos levar. Mesmo sendo algo quase inexistente jamais conseguiríamos viver sem amar ou ser amado. Essas são parte de minhas idéias acerca do amor. Quem sabe um “3” apareça por ai…

Anúncios

3 Responses to “O que é o amor?²”


  1. janeiro 31, 2010 às 9:10 pm

    Já me disseram que definir algo é limitá-lo. Ao definir dizemos por aí que compreendemos. Compreender é muito próximo a pegar, certo? Pois bem, como compreender um objeto em sua totalidade é algo que talvez jamais possamos fazer, agente coloca ele nos cubinhos da definição e têm-se a sensação de que pegamos, tal qual um pokemon na poke-bola.
    Agora, será que o pokemon existe mesmo?

    Mas Delminho, eu juro que te amo, ok?

  2. fevereiro 8, 2010 às 2:36 am

    Você escreve muito parecido comigo, que medo…rs

  3. fevereiro 18, 2010 às 9:40 pm

    Amor é ilusão. Não há problema algum se ambos os pombinhos estão iludidos. O problema é quando só um está. E se está iludido, como vai notar que o outro não está?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.


%d blogueiros gostam disto: