21
jan
10

Estrutura argumentativa

Olá pessoas e seres extra-corpóreos que visitam meu blog. Hahahaha, ok ok.

Esse post irá falar um pouco sobre estrutura de argumentos e sua importância. Bom como todos sabemos, a nossa escrita nos permite a comunicação e exposição de nossa idéias. Saber escrever bem é um exercício e exige muita prática. Eu por exemplo, posso dizer com uma segurança que este blog está contribuindo e muito para o desenvolvimento de minha escrita e estrutura argumentativa, visto que exponho diversas de minhas idéias e argumentos que as apoiam.

Bom mediante alguns fóruns, debates e até mesmo de comentários feitos em meu blog, achei interessante fazer um post, mesmo breve que reunisse alguns exemplos de estruturas argumentativas falhas (ou falácias, como mais conhecido) das quais, quando utilizadas em um debate, tendem a dificultar a exposição das idéias. Por mais óbvio que muitos dos exemplos que eu irei utilizar aqui possam parecer, acreditem – eles são bem comuns e fáceis de se encontrar por aí. Especialmente no meio acadêmico.

Digamos que você está na faculdade, no curso de desenho industrial. O professor em uma questão da prova diz – “A tipografia é a essência do design gráfico.” Mediante a afirmativa, ele desenvolve o resto da questão sem mencionar como ele chegou a tal conclusão. Veja bem, ele acabou de definir a ESSÊNCIA de algo. O algo é o design gráfico. Sem desenvolver o raciocínio para aquela possível TEORIA acerca da essência do design gráfico. O aluno naturalmente pergunta ao professor “Professor, discordo dessa afirmativa. Da onde você tirou essa afirmação tão absoluta?” e o professor responde “Não há nem o que discutir. Tá escrito até em livros isso!

Isso foi um fato real, de sala de aula. Percebe-se claramente a pobreza de argumentação do professor e o seu apelo à autoridade (ad verencundiam). A estrutura do argumento dele é “Se está no livro do autor X, logo é verdade.” O aluno no caso, não precisa nem mesmo entrar no mérito do conteúdo da questão em si, mas apenas de sua estrutura completamente falha. Faltou ao professor neste caso 2 coisas – Desenvolvimento da afirmativa (tipografia é a essência do design gráfico) e deixar claro que não passa da idéia de um autor ou de um grupo deles, mas que não constitui verdade absoluta.

Outro exemplo bem comum é o apelo a ignorância (ad ignorantiam) ou aos ataques pessoais (ad hominem) (essa segunda então, é encontrada absurdamente em qualquer lugar, desde política até no parquinho da escola.)

No apelo a ignorância, devido a falta de conhecimento sobre algo faz-se afirmações sobre tal. Exemplificando “A ciência não consegue provar que deus NÃO existe. Logo ele existe.” Já vi este raciocínio ser utilizado diversas vezes. A falha dele é simples – o argumento possui uma premissa, mas sua conclusão não apoia tal. Imaginem se usássemos como base tal argumento – o limite das coisas “verdadeiras” seria nossa imaginação – duendes, gnomos, dragões e tudo que quiséssemos se tornaria “verdadeiro”, pois tais objetos não são passíveis de serem “provados”.

No ataque pessoal, tenta se desqualificar o argumento do outro atacando sua pessoa. “Você não gosta de religião pois é ateu!”. Se neste caso o “ateu” fez uma argumentação embasada acerca de seu “não gostar” esse argumento se torna falho, pois a refutação não possui argumentos contra, apenas um ataque pessoal. Essa é muito comum na política, onde tenta se desclassificar o pensamento do outro, pois o mesmo gosta de “beber” fim de semana ou de ver “futebol aos domingos”. Exemplificando “Senador fulano suas opiniões sobre a crise econômica não deveriam nem ser ouvidas! Você não passa de um beberrão de fim de semana!”

Importante para qualquer debate produtivo observar a estrutura dos argumentos ali expostos. O exercício da escrita, quando bem desenvolvido nos ajuda a desenvolver nossos argumentos e evitar tais problemas.

Estas falácias são comumentes encontradas em diversos meios. Penso eu que antes mesmo de entrarmos no mérito do conteúdo de um argumento em qualquer debate, deve-se verificar sua estrutura primeiro. Se sua estrutura constituir uma falácia “logo de cara”, de que adianta entrar no mérito do conteúdo em si?

Acho importante este conhecimento estrutural acerca de argumentos, especialmente no meio acadêmico. Evitar armadilhas acerca do conhecimento exposto pelos professores e desenvolver senso crítico.

Anúncios

0 Responses to “Estrutura argumentativa”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.


%d blogueiros gostam disto: