29
dez
09

Sentido da vida.

Calma-te ávido leitor! Nem de longe irei responder ou afirmar o que é um sentido para vida – se é que tem um. O post de hoje é apenas uma reflexão acerca deste tópico. Devaneios.

Essa questão povoa a vida de inúmeras pessoas. Quem não quer atribuir um significado abrangente em sua vida? Quem não quer saber por qual razão está vivo e qual seu objetivo principal? São perguntas que tiram o sono de muitos.

E se eu dissesse que não há um sentido? Seria chamado de maluco? Doido varrido? Ok! Tentarei explicar essa possibilidade, qual razão de tal pensamento.

Bom, eu sou Ateu – logo não acredito em vida após a morte ou em nenhum Deus julgador. Portanto qual seria o meu conforto diante de tamanho “vazio da vida”? Nascer, trabalhar, reproduzir e morrer? É isso que é a vida para mim? Não. A nossa vida para mim é algo único e curto – duramos pouco tempo na terra – portanto devemos nós mesmos buscar seus pequenos significados e sentidos no dia a dia. Quando digo isso são com coisas pequenas mesmo! Por exemplo – esperar a semana passar para encontrar os amigos numa mesa de bar e ter aquela conversa, marcar aquele cinema com a namorada, almoçar naquele restaurante que tem uma comida magnífica, ler um livro naquele dia friozinho, reencontrar aquela amiga que não vê a anos e dar um abraço apertado. Esses exemplos por mais bestas que pareçam, ao meu ver, constituem os nossos significados da vida. Os pequenos momentos que nos dão alegria. Para mim o mais próximo de “sentido” de vida que podemos chegar. Viver é atribuir significados diariamente as coisas, buscar nestes o sentido de se viver.

Não há objetivo final, principal. Desculpe-me a visão um pouco cruel, mas diante deste gigantesco universo pensar que todos nós somos seres especiais com destinos/propósitos traçados é um pouco de arrogância. Não acho que sou tão especial assim, nem quero ser. Quero aproveitar minha vida seguindo meu caminho e meus próprios significados.

Para boa parte dos religiosos essas perguntas tem respostas. Para os espíritas por exemplo, você é um espírito em constante evolução (por qual razão?) e o seu único objetivo é evoluir – você reencarna, sofre, é feliz, morre, reencarna, sofre, é feliz, morre – por diversas vezes até você ter evoluído a tal ponto de não reencarnar na terra mais. Uma visão um tanto quanto angustiante e ineficaz, pois como você irá aprender com seus erros de vidas passadas, se quando você reencarna você não lembra de nada? Se eu evoluo ou aprendo com meus erros será inconscientemente. Um aprendizado um pouco as cegas ao meu ver.

Como saber que minha religião é a correta? Como sei que o Deus do catolicismo é o verdadeiro e não o do Islamismo? (Não é a busca pela verdade que as religiões se propõem? Aliás, elas não buscam elas SÃO!) Se brincarmos um pouco com a definição de ateísmo, veremos que diversos católicos são Ateus para Alá, por exemplo. Religião é um fator cultural. Se pegarmos um evangélico brasileiro e ele nascesse na Índia por exemplo, fatalmente seria Hindu. Se nascesse em um país fundamentalista Islâmico acreditaria em Alá. Será que as pessoas que cultuam seus deuses já pararam para pensar nisso?

Sei que a fé inabalável constitui uma virtude para muitos (eu discordo profundamente disto) e que essas (e muitas outras) dúvidas são esmagadas de ante-mão por uma tropa-de-choque teísta (cada uma defendendo seu ponto de vista). Minhas lamentações vão para aquelas crianças que mal começam a viver a vida e já são ensinadas a temer um deus e a significar toda sua vida em volta deste.

Crianças de pais teístas!

Anúncios

2 Responses to “Sentido da vida.”


  1. janeiro 2, 2010 às 9:06 pm

    Um dia a moral e a virtude vão ser destruídas por completa,
    e o que nos leva a tecer atos que hoje tem um propósito velado
    pela incondicionalidade de alguns valores ocidentais,
    só restará a razão e com ela, aquilo que buscamos atingir,
    não sei se há um caminho “bom”, mas a julgar pelo que sei, que está velado pelo que fui condicionado a saber, mesmo que o significado das coisas fosse nos dado, por detrás do vel que nos guarda, talvez só me restaria negar o que nos for mostrado, e não estou falando de teísmo ou ateísmo.
    Mas gostei de seu post
    e te amo meu brother, por enquanto isso faz a vida ser “feliz” não acha?!

    • janeiro 3, 2010 às 1:18 am

      Será que existe de fato uma moral/virtude para ser destruída? Moral é algo com uma certa “liquidez” razoável. Tá ai uma discussão deveras complexa, na qual me faltaria conhecimento para levar adiante com solidez. Sem compromisso de acertar e apenas pelo simples exercício do pensar, arriscaria dizer que moral vigente é um fator cultural. Expressa em valores pelos nossos pais/sociedade/interações com o meio que nos encontramos. Teria um possível “espírito/alma” imortal algum fator de culpa nesta “moral” que dizemos seguir? O “X” da questão, o que nos torna tão diferentes, mesmo criados em meios em comum. O que nos diferencia de nossos irmãos, criados sob o mesmo teto e cultura? Aonde está o “diferencial” que nos torna diferentes uns dos outros? Seria genético? Se existir, espiritual? Neurológico?
      Questões, questões…

      Também amo-te irmão! Grande Abraço Frederico! Sim, isso torna feliz de fato! =)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.


%d blogueiros gostam disto: