05
dez
09

Deus – um delírio???

Olá a todos. Boa noite, precisamente.

Estou prestes a terminar o famigerado best-seller de Dawkins, Deus – Um delírio. Apesar de não estar nas considerações finais do autor acerca do apanhado geral de seu livro, resolvi me apressar e fazer o meu apanhado geral.

Ao longo do livro Dawkins coloca seus argumentos a favor do Ateísmo crítico, rebatendo diversos “ataques” ao Ateísmo e ao evolucionismo. Coisas como “Ateus são imorais”, “Stalin era Ateu”, “Homem veio do macaco”, “estruturas de complexidade irredutíveis” e etc…

Devo dizer que este livro me enriqueceu um bocado e me fez procurar saber mais a respeito. Acho meio complicado ficar com apenas um lado da história. Tenho lido a Bíblia também (velho e novo testamento simultaneamente) e visitado blogs cristãos que supostamente refutam o Ateísmo. Pois bem, até então todos eles caem naquela velha estória que “Ateus crêem que Deus NÃO existe” (atentai para o uso completamente indevido do crêem, onde fica o cerne da questão), essa é a mais clássica, quase todo forum, blog ou apologética que eu vejo, esse argumento é usado. Para este argumento diria – dicionário.

Agora penso, se realmente descobrissem que deus de fato não existe. Nem deuses, nem santos, nem entidades. Como ficaria a humanidade? As pessoas que dedicaram suas vidas a obediência cega de escrituras antigas. No que iria impactar isto tudo? Teríamos um suicídio em massa no planeta? Simplesmente as pessoas iriam ignorar qualquer evidência (caso ela surgisse) forte da inexistência de deus (o que já me parece acontecer, visto que não há nada que corrobore satisfatoriamente sua existência, até então)?

Dai caimos naquela (outra clássica) que não podemos provar que deus não existe. Acontece que o ônus da prova cabe aos que afirmam sua existência. Eu não afirmaria que ele não existe – concluo que é MUITO improvável existir.

A lacuna que seria deixada por deus. Iríamos inventar algo para por no lugar? Simplesmente impossível imaginar o ser humano sem ter a necessidade de crenças, sistemas dogmáticos fundamentalistas regendo suas vidas e muitas vezes seus Estados?

A questão do capítulo que estou, trata das crianças que sofrem influência direta dos pais quando o assunto é religião. Neste ponto concordo com Dawkins. Dizer que uma criança é católica? Evangélica? Espírita? Absurdo. Não nascemos crendo em deuses. A fé é adquirida e sofre forte influência da cultura na qual essa criança está inserida. O perigo aqui é não mostrar que a criança pode seguir escolhas. Mostrar que não crer é uma opção. Assim como também além da religião dos seus pais, existem milhares outras.

Se o deus católico de fato fosse a verdade absoluta, por qual razão então ele não se manifesta a todos, de modo unificar os povos e acabar com o ódio religioso? Ou seria isto aberto a múltiplas interpretações, de modo que cada povo iria afirmar que “aquele deus” era o seu e não o do outro? Gerando assim mais e mais polêmicas. Interessante que eu mesmo acabo me respondendo no final, deixando meu negativismo transparente.

Acho que entraríamos naquele papo que “só sente deus quem acredita, tem que ter fé!”

Felizmente (ou infelizmente para muitos) fé religiosa é um componente que estou longe de adquirir. Um problema? Já pensei assim, mas agora vejo que não me faz a menor falta. Já tive fé um dia e já rezei muito quando criança/adolescente. Adoro sentir-me responsável pelos meus sucessos e pelos meus erros. A idéia de um ser divino influenciando minha vida positivamente em troca de um punhado de preces, não me soa muito convincente. Além de ser egoísta na minha opinião.

É. Os dias de amparo divino acabaram. 🙂

Anúncios

8 Responses to “Deus – um delírio???”


  1. 1 REMBRANDT DONIZETTE CASTRO
    dezembro 5, 2009 às 12:23 pm

    Eu penso em que é possível provar a existência de Deus pela lógica. Basta imaginar uma provável sequência de eventos evolutivos… Tudo começou com moléculas soltas no ambiente; elas se uniram( como se uniram?, primeira pergunta). Desta união, nasceram os seres unicelulares, que tinham estruta de DNA. Como este DNA se formou? segunda pergunta. Posteriormente, imagina-se que estes seres unicelulares se uniram para originar seres pluricelulares. Estes últimos, cada vez mais complexos, com especializações, exigiam DNA aperfeiçoado. Se você pesquisar sobre o DNA, verá que é impossível o acaso ter criado algo tão complexo. Uma única cadeia de DNA é formada por milhões de células, sem falar no fato de que a outra cadeia deve ser idêntica à primeira, com as moléculas dispostas da mesma maneira.
    Tudo bem, esta etapa vencida, vem a questão das várias espécies do planeta. Exemplo: um mussaranho evolui para o Homem. Como o DNA deste mussaranho se especializou para criar milhões e milhões de células a mais? Ou foram células soltas que se agregaram ao mussaranho? Como as muito complexas especializações no Homem surgiram( vasos sanguíneos, visão, etc).. Digamos que foi possível ao acaso criar o primeiro ser humano. E depois? Para a espécie sobreviver, seria necessário criar uma mulher… Como o acaso reproduziu quase que inteiramente a constituição masculina? E como o acaso sabia qual o mecanismo reprodutivo que deveria criar? Mais: Quantos seres humanos nasceram ao mesmo tempo?, pois a espécie não sobreviveria com apenas um, dois, dez casais. O acaso teve bastante perspicácia para reproduzir com exatidão muitos e muitos seres humanos( ou não foi acaso?). Este mesmo exemplo vale para os milhares de espécies no planeta.
    E a reprodução? Por que não continuou a ser apenas divisão celular simples, formando um clone, como nos seres unicelulares? As plantas se reproduzem por sementes;aves, por ovos; nos mamíferos, os filhotes crescem dentro da mãe; além disso, o tempo de gestação é variável.
    Existem mais perguntas que, quando são feitas àqueles que dizem ter sido a Evolução casual, eles respondem: “Não existe explicação”. Se não existe, gostaria de que procurassem, pois cientistas são pessoas que jamais se contentariam tão facilmente com esta resposta.
    Eu sou leigo. A lógica que estou usando é a de qualquer um que tem informações um pouco além das básicas. Já ouvi falar ser impossível ao acaso apenas criar uma vida simples. Eu desconsidero este ponto e parto do pressuposto de que a vida foi criada pelo acaso; as perguntas, porém, que se multiplicam, só trazem uma conclusão, a de que o acaso jamais criaria tudo que se criou, nem em quatro trilhões de anos.

  2. dezembro 5, 2009 às 1:30 pm

    Bom, primeiro gostaria de dizer que também não sou um estudioso do estudo darwiniano, mas pelo pouco que li, o “acaso” não é uma variável considerada. Dawkins até bate neste ponto no livro, do “acaso” e do “homem veio do macaco”. No caso de algumas espécies já foram encontrados fósseis intermediários, por exemplo, mostrando como se originou algumas das espécies que conhecemos hoje.
    Sei também da improbabilidade, por exemplo do surgimento do genoma humano, mas aonde Deus se encaixa nisso? Não achas mais improvável ainda existir um ser ULTRA complexo a ponto de criar tudo que você citou acima? Já não basta as probabilidades de chegarmos onde chegamos serem minúsculas?
    E também sei da ineficiencia da ciência em responder, por exemplo, da onde surgiu a primeira forma de vida. Ela veio do “nada”? Ela veio da “não vida”? Temos hipóteses a rodo no meio científico, mas nenhuma delas com evidências fortes o bastante para explicar de forma mais robusta a origem da vida.
    Mas do contrário da religião, a ciência tende a não ser dogmática (a boa ciência e os bons cientistas) colocando sempre a prova seus estudos. Penso eu que é apenas uma boa questão de tempo, até que os estudos evoluam e explicações mais plausíveis apareçam.
    Prefiro ficar com o “Não sabemos a resposta ainda.” da ciência do que o “Foi Deus quem criou.” da religião. =)

  3. 3 REMBRANDT DONIZETTE CASTRO
    dezembro 5, 2009 às 4:52 pm

    Gostaria de ficar em dois pontos que você citou.
    1-Os fósseis intermediários. Não vejo como eles comprovariam a Evolução casual; comprovam apenas a Evolução, uma Evolução comandada por Deus, no meu entender. Um exemplo igual a este é a seleção natural. Ela prova apenas o óbvio, que seres com características diferentes se adaptam a ecossistemas diferentes; estes seres, porém, já estão formados. A seleção natural, a meu ver, sequer prova a Evolução, ao contrário dos fósseis, que provam a Evolução, mas não a Evolução casual
    2- seria improvável a existência de um Ser ultracomplexo:Se a Evolução não foi casual, foi planejada; se foi planejada, foi planejada por Alguém. É uma questão de silogismo aristotélico: se a=b e b=a, então a=c.

  4. 4 REMBRANDT DONIZETTE CASTRO
    dezembro 5, 2009 às 4:58 pm

    Gostaria, pois esqueci de mencionar isto no meu comentário acima, de que você falasse mais detalhadamente sobre “o acaso não ser uma variável considerada”. É um ponto novo para mim. Eu amo a verdade, não provar meus pontos de vista. Se eu descobrir algo que possa levar-me a mudar meu pensamento, aceitarei de bom grado.

  5. dezembro 5, 2009 às 5:25 pm

    Bom seguindo o silogismo aristotélico, quem então teria criado Deus? Se algo complexo necessita de um projetista, pois bem, quem teria projetado o projetista? E por assim diante. Portanto iríamos cair num argumento cíclico infinito. Já que algo não pode vir do “nada”, logo Deus também não poderia, afinal Deus é “algo”.

    Agora se pensa que “deus” não foi criado, ele é infinito e sempre esteve ai, bem diria então que isso sim seria um afirmativa muito “ousada” por assim dizer. Até pq nesse aspecto não temos absolutamente NADA, que corrobore com a infinitude deste ser, tampouco sua existência.

    E afirmar que a evolução é comandada por Deus é um salto enorme em termos de “conclusão”. Uma possibilidade, talvez. Certeza, não.
    E quanto ao acaso, irei pesquisar um pouco mais e tentarei fundamentar algo, como mencionei, não tenho estudo aprofundado sobre a teoria da evolução. Relendo meu post, eu não mencionei que os fósseis intermediários provam a “evolução casual” e sim a evolução em si, como mencionou.

    E quanto ela provar o “óbvio”, se pararmos para pensar, quase tudo é assim. A lei da gravidade evidencia o “óbvio” assim como tantas outras teorias. Hoje em dia pode ser bem óbvio para nós isso, mas até então, quando surgiu esta teoria, de óbvia ela não tinha nada. Foi uma grande supresa por sinal.

    Mas reforçando o que eu disse, irei pesquisar mais sobre a variável acaso, e pretendo postar aqui. =)

  6. 6 REMBRANDT DONIZETTE CASTRO
    dezembro 5, 2009 às 10:02 pm

    Em primeiro lugar, acho ótima esta troca de idéias, pois, para encontrar a verdade, é preciso reconhecer eventuais falhas no meu modo de pensar. Você tem razão quando diz que o óbvio de hoje nem sempre foi óbvio.
    Dizer que Deus comandou a Evolução realmente não é uma certeza. Confesso que é uma pergunta para a qual minha lógica e parcos conhecimentos científicos ainda não têm resposta. Por que Deus comandou um precesso evolutivo e não fez as espécies como as conhecemos hoje?, eis a pergunta que ainda não sei responder… ou melhor, posso dar uma resposta de um crente, que logicamente você considerará insuficiente: Assim foi porque Deus quis. Ele construiu o Universo como Lhe aprouve.
    Sobre a pergunta de quem criou Deus, a resposta seria: outro Deus, ou seja, a meu ver, a pergunta nao procede, pois a ideía é: existe um Universo. Sua criação e evolução foram casuais ou não? Se a resposta for não, deduz-se instantaneamente que Deus existe. Se Deus não existe, então o Universo é casual; caso se queira pensar além, volta-se ao ciclo: foi casual ou não; se não, existe um segundo Deus que criou Deus, e assim infinitamente.
    Ninguém ainda levantou uma hipótese sequer para a pergunta: de onde veio a matéria que explodiu no Big Bang? Esta falta de resposta já é um indício de que a provável futura conclusão seja: foi criada por Deus. Alguns cientistas já disseram que a ciência talvez tenha chegado ao limite, que jamais poderá responder a esta pergunta. Evidentemente, com certa razão até, você dirá que, se todos pensassem assim, a ciência não teria evoluído tanto, mas eu acho, humildemente, que desta vez não existe possibilidade de voltarmos para antes do início.
    Eu acho que, pelos conhecimentos atuais, o Criacionismo tem ganho a corrida. Além da falta de respostas ao menos razoáveis para as diversas perguntas, existem cientistas que refutam a Evolução casual. Basta ler algumas matérias postadas neste site. Claro que alguns criacionistas dizem coisas facilmente refutáveis, mas são aqueles fundamentalistas, que negam qualquer tipo de ciência… conhecereis a verdade e a verdade vos libertará, diz a Bíblia, por isso eu procuro a verdade. Sem ciência, não há verdade.

  7. 7 REMBRANDT DONIZETTE CASTRO
    dezembro 6, 2009 às 10:01 am

    Eu assisti a alguns episódios da série Cosmos, apresentada pelo renomado cientista Carl Sagan, que morreu em 1996. Ele dizia, para explicar o como ocorreu este ou aquele evento evolutivo, que era um evento casual completamente sem explicação científica. Eu sempre achei fora de contexto um cientista falar com certeza em algo sem provas científicas, pois ele dava como certa a Evolução casual. Desde esta época( anos 70 e 80), não houve avanço algum para dar sustentação à Evolução casual, ao passo que, quanto mais se descobriu sobre os mecanismos que formam as espécies, vendo o quâo complexas são, mais se tem argumentos pró-Criacionismo. Eu não vejo nenhum avanço que dê sustentação real à Evolução casual. Gostaria de requerer a exposição de tais avanços, se eles existem, ao contrário do que eu sei até o momento.
    Esta questão passa pelo lado humano. Qualquer confirmação que o futuro reserve, pode chegar daqui a cem, duzentos anos; se um cético permanece indiferente a Deus por causa desta espera, correrá o risco de perder algo muito bom, que é aceitar Deus. É uma visão estereotipada achar que Deus cede favores em troca de preces. Se você ouvir pregações de cristãos autênticos, racionais, verá que aceitamos Deus porque sabemos que é ótimo para nossa vida, ainda que, aparentemente, não haja recompensa alguma. Eu sugiro a você ler os escritos do apóstolo Paulo. Ele diz que, com Deus, somos livres para não pecar.. Isto parece contraditório, pois se tem a visão de que não pecar é uma obrigação queDeus nos impõe. É uma questão filosófica: você pensa que é livre para, por exemplo, ir a um bar e beber várias garrafas de cerveja. Será que você faz isto por ser livre, ou você é escravo daquilo que diz a mídia, pois ela exalta, de certa forma, a bebida, sugerindo que é questão de alegria, mostrar-se “antenado com o mundo”.Resumindo, eu coloco a pergunta: as pessoas são livres ou, muitas vezes, pensam sere livres? Isto é racional, não uma questão de ficar gritando louvores numa Igreja. Outro exemplo de filosofia profunda é a frase dita por Jesus: aquele que não tem pecado, atire a primeira pedra…Ele não precisou ficar gritando que Deus, no juízo final, etc,etc; ao contrário, Ele foi racional.

  8. dezembro 6, 2009 às 4:22 pm

    Sim acho ótimo essa troca de idéias também. =)

    “…e um cético permanece indiferente a Deus por causa desta espera, correrá o risco de perder algo muito bom, que é aceitar Deus.”

    Quanto a questão de ser livre para beber 20 garrafas num bar por puro prazer ou por se mostrar antenado. Bem essa questão é tão pertinente para Deus também. Quem disse que as pessoas aceitam Deus por pura vontade ou por não terem escolha? Aceitam para mostrar que são “antenadas com seu lado espiritual”? Quando no fundo no fundo, não acreditam tanto quanto dizem.

    Não consigo enxergar essa suposta liberdade que se prega tanto, quando se acredita em Deus. Vejo muito mais abusos em nome de Deus e Cristo do que liberdade e amor. Infelizmente. Sei que generalizar é errado, mas é o que acontece bastante.

    Outra coisa que me incomoda é essa definição de “pecado” criada pelos dogmas católicos. O que é o pecado? Sexo é pecado? Matar é pecado? Lembra-te que isso são questões puramente culturais e não verdades. O antigo testamento foi escrito a dezenas de anos atrás e refletia um pensamento/cultura de um povo. Acha sábio, seguir esses mesmos escritos depois de tantos anos? Acha o Deus do antigo testamento justo e libertador?

    Quanto ao acaso, infelizmente não tive tempo ainda de pesquisar a fundo, mas tentarei passar o que eu entendi, portanto deixo de ante-mão avisado que não necessariamente o que eu entendi é correto –

    Bom, acaso por definição seriam eventos aleatórios que ocorreriam sem prévio saber. Pois bem, algumas coisas são tão improváveis de ocorrer, que acreditar no “acaso” seria um erro. Quando nos deparamos com uma estrutura super complexa presente na natureza, levantam-se duas questões – O acaso? Ou design inteligente?

    Bem o Design inteligente, é para mim, uma alternativa fraquíssima como resposta, pois ela não responde a pergunta básica – Quem projetou o projetista? Como lhe bem fiz. Você diria que um Deus projetou outro caso o acaso não fosse considerado. Pois bem, isso é um pensamento seu, pois nenhuma outra religião o cultua (desconheço religião que tenha Deus, criando Deus e assim por diante). Infelizmente esse seu pensamento não seria muito satisfatório, pois seria sempre um Deus criando o outro eternamente e a pergunta sempre continuaria sem resposta.

    O acaso? Bom, como eu mencionei o “acaso” não procede, pois o Universo e sua tremenda complexidade tão “improvável” jamais poderia ser produto do acaso. A resposta para isso no Darwinismo se chama seleção natural. Como termos, por exemplo, asas de pássaros, diversas espécies de plantas tudo gerada ao “acaso”? Para mim nos depararmos com estruturas tão improváveis de ocorrerem jamais seria o acaso e sim parte de um processo cuidadoso e demorado. Vou até parafrasear um pedaço do livro do Dawkins sobre isso

    “O que é que faz a seleção natural ser bem-sucedida como solução para o problema da improbabilidade, para o qual o acaso e o design fracassam já de saída? A resposta é que a seleção natural é um processo cumulativo, que divide o problema da improbabilidade em partículas pequenas. Cada uma das partículas é ligeiramente improvável, mas não definitivamente. Quando grande número desses fatos ligeiramente improváveis são reunidos em série, o resultado final do acúmulo é mesmo improbabillíssimo, improvável o bastante para estar muito além do alcance do acaso. São esses produtos finais que dão forma aos objetos do argumento cansativamente reciclado pelos criacionistas.”

    E ele continua, dizendo que o erro de vermos os fatos e ocorrências como coisas isoladas. “Um belo dia surgiu o DNA. Um belo dia surgiu etc.”. Todas essas estruturas foram acumulos de diversos processos ao longo da evolução.

    O livro cita mais exemplos para contra o “acaso” darwiniano. Sei que não é uma excelente explicação que lhe dou, pois me falta estudo também, estou apenas tentando lhe expor o que eu entendi. Peço que analise e veja o que entende e levante questões acerca, ficarei feliz em contribuir para esta conversa. Aw, e claro, o que lhe respondi está em aberto, não tenho 100% certeza do que lhe disse, continuarei a pesquisar um pouco mais além do livro do Dawkins.

    Abraços e bom domingo! =)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.


%d blogueiros gostam disto: