19
out
15

A Desi Update (About time you slacker!)

A few weeks ago we had an amazing session at Bengaluru Nasscom 10,000 Startups warehouse with Sonia Manchanda (Co-founder SPREAD) and Bruce Nussbaum  (Author of Creative Intelligence). The workshop was about creativity competencies and why startups should be focusing more in the people and less in the technology behind it.

A lot of the discussion and conversation happened around creating meaningful value for customers – or as Bruce said – Mining for meaning. Bruce example on how Lenovo beat HP in the computer marketing by just learning from their customers what was the meaning of a computer for them. PCs were wedding gifts in China – Lenovo leveraged that – and instead of investing more on tech – they created bigger and more visual appealing boxes. The result? More market share in China.

The value of reframing and Tetra Pak case – where the key insight was on how people wanted to be able to drink their juices, sodas and water on the go – not standing. Powerful case on how reframing played an important role on a design decision that brought a huge impact on the market. Again how design affected business and vice-versa.

I had a chance to talk to a few of the participants at the end and ask them what was the main take away from this short but powerful session about creativity and I was pretty excited to hear the answers. Most of the participants have their own startups and business ideas and they felt really empowered to know that creativity can play such an important role in their business – how they can reframe their challenges into opportunities effectively to truly create meaningful experiences to their soon-to-be customers.

It’s more about love than technology – as Bruce brilliantly said on Economic Times of India – “If Flipkart wants to take on Amazon, it must think beyond technology about things it can offer customers in the Indian context to leverage its home advantage.” (read the whole interview here http://goo.gl/qd7Jul).

As usual – I could not be happier – it’s like being in the eye of the hurricane (while the hurricane being one hell of a startup ecosystem full of talented people and unique knowledge) + chappatis and parotas to add! =)

I am a lazy writer – whenever I decide to write up about something – there is a pile (already) with new things for me to write about.

I cannot promise but I will make an extra effort to keep this space more up-to-date! =P

I will also try to share more of my insights and perceptions in a better format – visual and examples – it’s not only about the sharing but it’s also good for me to keep track on how my perceptions will change in time – Thanks to whoever is reading this – you are awesome! =)

17
jan
15

The trend of Innovation

People talk an awful lot about innovation. Specially market/business, how to reallocate/change the way we use/deliver some services/resources. The way we label those changes as disruptive, brilliant, innovative, etc.

What about self innovation? Shouldn’t it begin from within? Actually it probably begin within ourselves. We innovate the way we perceive and translate our “vision” to the world. Then Uber happens. Facebook. Zip car. Air BnB. It all starts from the self, in a certain way which will be translated into a deliverable to the world.

Right now I am pursuing a “thing” I call “professional autonomy”. People usually think that’s about being able to make a lot of money and support myself. It’s not financial, it’s professional. With that I mean a very simple thing – being desirable by the market. Having a certain set of skills and way of doing things, that no one out there is being able to do it. I don’t want to be the best in my field. I want to be the only guy doing something. It’s different.

Nevertheless it will be very hard and it will take me several years to figure out how and what. That’s when the ability to innovate yourself comes into play – acquiring new knowledge (some of it not even related to what I’ve studied previously, design).

In my particular case I am a graphic design bachelor. The last 3 years I’ve totally shifted myself towards something different. I don’t have a label for it nor a tag. Could be called something around enterprising design knowledge (like my parsons class) or designing new ventures. I am basically using design principles and tools (specially ways to frame things, frameworks) as a base to plug in new knowledge from different areas. Right now I am focusing myself to learn more about business, entrepreneurship and trends in executive education – and how can I change the way it’s being done and provoke disruption (even if it’s small) into it. Design equipped me to be able to fool around with many different things by basically saying “Be creative, test your ideas and insights very fast, so you can fail even faster.”

Another very important thing is being mindful of what you do while working. People usually say experience it’s the most precious thing you can have when positioning yourself as a professional, but the thing is, if you spend 20 years of your life doing things like a mindless drone, what good it will be for you? Sometimes the pace of things happens fast and we barely have time to breath, but nobody said it was easy. Hard work and awareness of what you did is what will make those 20 years in your resume extremely valuable. Remember quantity is not quality.

It’s easy to begin. As easy as doing a checklist. Try it yourself if you don’t believe it. Pick a piece of paper and write in a simple line “what kind of professional I want to be?” After that, start the list of skills you think you will need to be it. Being a silver tongue? Learning finance? English? Spanish? You name it. After listing it down, go to the how – How can I acquire those skills? Short degree courses? Youtube lessons? Mentorship? List it. Last but not least put there what you have at your disposal (friends, internet, people you think are role models, work colleagues, ex-college teachers, etc) and start reaching out whatever/whoever you think is important and build it up! Learn what and how they do and always think in what would you do different and why. Be mindful of your learning and choices. Start slowly making progressions towards your objective of Innovating yourself.

It’s not impossible. I believe it’s quite possible and I am following my path towards it. It’s not about talent but hard work and dedication. =)

19
out
14

9 anos e o Design 3.0

Olá internet.

Dia 18 de outubro foi o aniversário de 9 anos da empresa que trabalho. Uma enorme comemoração aconteceu após o expediente. Dança, música, performances e muita comida boa. Uma celebração pra ninguém por defeito e a chance de uma conversa muito bacana a respeito de design, indústria, India e Brasil.

Estou fazendo parte de um projeto para redefinir o branding de uma empresa de Taxi. O projeto começou 2 dias após minha chegada e está completando um mês. Durante este 1 mês nosso trabalho foi mergulhar na pesquisa, mapear o serviço e nos colocar nos “sapatos” dos usuários. Testamos vários serviços de taxi na India, gravamos entrevistas e levantamos uma grande quantidade de informações. O passo seguinte (e o mais divertido) compilar e extrair insights de tudo capturado. Entender relações e a partir disto explorar oportunidades que finalmente irão gerar idéias de serviços e o reposicionamento do branding da empresa.

Fiquei encarregado da etapa de mapear e sintetizar a experiência do usuário. O fiz, revisei, mergulhei nas entrevistas, nos post-its e foi uma semana bem intensa compilar tudo. Mostrei para um dos chefes, responsável pelo lado de “Business Strategy” da empresa e ao terminar de ver o que eu havia levantado ele usou apenas uma palavra “Superficial.”

Fiquei curioso e um pouco decepcionado, afinal achei que tinha feito um bom trabalho e ouvi atentamente sua crítica. No final eu conclui sem titubear: ele tinha toda razão. Minha análise estava racional e embasada apenas nos dados, mas não tinha intuição ou “gut feeling”. Não tinha um olhar humano ali. Não havia empatia. Não era design.

Um dos insights mais pertinentes que eu não havia notado era como se davam as relações nos serviços de taxi. Os principais serviços usam aplicativos, telefone ou web para chamar um táxi. Todos utilizavam tecnologia para estabelecer as relações com os clientes e com isto causando uma mudança fundamental – As relações viravam transações.

Não havia muito mais do “calor humano” ou uma relação de fato sendo estabelecida entre os usuários e os serviços de táxi. A necessidade de expansão em larga escala tornou a tecnologia algo indispensável. Sem ela não seria possível atendermos a demanda, mas ao mesmo tempo nos levou para a impessoalidade e a “mecanicidade” dos atos. Seguimos passos estabelecidos pelo sistema para conseguirmos marcar um táxi e toda nossa comunicação com as empresas é feita através de um aplicativo. O Uber sendo o caso mais extremo aonde nenhum contato com o motorista é necessário. Nem para pagar a corrida. Chegou no seu local de destino? Abra a porta e saia, a conta é debitada no seu cartão de crédito, tornando o motorista (um ser humano) num serviço – um agente invisível – que você mal percebe que está lá. Poderia ser facilmente substituído por um robô piloto (assim que a tecnologia se tornar viável/disponível) e não faria muita diferença.

Seres humanos estão sempre em busca de experiências. Relações. Conexões. Percebi que meu papel como designer era olhar para estas relações não mensuráveis de maneira crítica. Entender como elas se estabelecem e através de nossas “soluções propostas ao cliente” criarmos um ambiente para que elas ocorram naturalmente. Como tirar uma pedrinha de um caminho que bloqueava a água de escorrer pelo córrego.

Tecnologia não é vilã, tão pouco “má”. Não acredito em estabelecer juízos de valores binários (positivo/negativo), mas em compreender como as relações se dão e usá-las para fortalecermos o aspecto humano em nossos relacionamentos. Sejam como pessoas ou com business, tirando proveito do que a tecnologia pode nos oferecer.

Menos transações e mais relações. Criar relações centradas no usuário.

Isso para mim é o papel mais importante de um designer. É nisso que acredito e nem me preocupo em buscar dados e comprovações científicas sobre – para tal, meu “gut feeling” basta. =)

02
out
14

Do Design e o aprendizado

17 dias se passaram desde que cheguei. Daqui a 59 dias estarei de volta ao Brasil.

Como alguns poucos sabem sou designer gráfico de formação, mas me afastei dessa área desde que pus os pés na Parsons em 2012. Para ser sincero o design mais tradicional (por tradicional entenda-se o que domina o mercado em termos de demandas, como gráfico, produto e web) era o que eu pretendia trabalhar, quando entrei no curso de Desenho Industrial, Projeto de Programação Visual em 2009. Lembro que gostava de trabalhar com criação de identidades visuais e todo o processo de geração de um manual de ID e suas aplicações, regras, tipografias, paletas de cores e etc. Achava isso um máximo. O top.

Graças a Dilma, 2012 fui para Parsons aonde conheci design thinking e todo o cenário de Designers que não “faziam design” na minha cabeça. Como aquele cara ali é considerado um bom designer se ele nem sequer sabe mexer no photoshop? E o cara tinha idéias geniais, conectava pontos, pessoas e criava ecosistemas inteiros. Bolava diagramas e fluxogramas explicando toda a informação e como as coisas se encaixavam. Se eu pedisse para ele fazer um cartaz ou um logo ele diria “Não faço a menor idéia de como fazer isso.” E isso era perfeitamente ok.

Passado o estranhamento, o que era incomum passou a ser o comum para mim. Havia descoberto a quantidade de coisas que um designer é capacitado durante os seus 4 anos de faculdade e quão pouco aprendemos a utilizar isso de maneira menos centrada nas ferramentas e mais focada no conhecimento em si. Nos métodos. Nas capacidades.

Havia descoberto o que eu queria estudar e ser, enquanto Designer. Era (e ainda são) muitas informações novas e desconexas, que aos poucos vou conectando.

Estou trabalhando na IDIOM fazem uns 17 dias. Trabalhando como Designer. Em 17 dias se eu fiquei mais do que 4 horas em um programa da Adobe foi muito. Estou finalmente vendo na prática o que um “Design Manager” faz, como atua, suas ferramentas e seu escopo. Não poderia estar mais feliz em ter descoberto e finalmente poder praticar isso.

IDIOM é uma Design DRIVEN Consultancy. Significa que todo o processo de um projeto utiliza métodos de Design. Desde uma reunião com clientes (que sempre acabam sendo mini workshops com post-its e white-boards cheios no final) até na hora de entregar o projeto. Ao perguntar a um designer se eles tinham profissionais de marketing na equipe ele respondeu “Pra que? O design possui todas as ferramentas que precisamos para executar nossos projetos e a filosofia da empresa é ser Design driven. Não oferecemos pesquisas nem serviços de marketing. Nossa pesquisa é qualitativa e baseada em etnografia/sociologia. Design Research, user centered não Market Centered. Normalmente o que os clientes fazem, se acharem necessários é procurar esse serviço por fora.” É uma visão distinta de mercado. O mercado são as pessoas, os consumidores com suas individualidades e desejos. Identificá-los é papel comum ao Design/Marketing, mas a forma como isso é feita por cada área que é completamente diferente.

Existem vários profissionais de outras áreas como ilustradores, arquitetos, marceneiros, etc. Todos debaixo de um mesmo teto, cada um com sua expertise, mas todos conectados por um método e uma visão de se executar projetos. Aqui na IDIOM por exemplo, não existe Identidade Visual desatrelada ao usuário e sua experiência. Branding. Não existe fazer um logo, deixar o cliente feliz e cabou-se o projeto. Não existe o óbvio e todo projeto tem espaço para Design Research e oportunidades para se descobrir algo novo.

Nestes 17 dias que estou aqui, estou participando de dois projetos grandes. Já fiz pesquisa/entrevista de campo, participei no desenvolvimento de frameworks, workshops, personas, jornadas de usuários e estou aprendendo a como me centrar nos vários stakeholders envolvidos nos projetos afim de planejar os próximos passos. Como extrair insights e usar e abusar do nosso gut feeling para gerar novas idéias e consequentemente inovação/valor para todos os envolvidos nos projetos. A idéia por detrás da intuição/sensibilidade/experiência/knowledge brokering de um designer do que apenas se basear em números e tabelas.

Essa está sendo minha experiência so far. =)

24
set
14

Seja bem vindo!

9 dias atrás eu estava chegando na IDIOM, em Bangalore, para ser trainee. Hoje eu conheci o primeiro ministro Indiano.

Quando eu cheguei aqui, eu vi o quão caótico e frenético Bangalore é, apesar de morar no Rio de Janeiro que é bagunçado, caótico, entupido de engarrafamentos e muito quente – mesmo assim – Bangalore me surpreendeu.

No escritório as pessoas perguntavam “E ai, o que tá achando de Bangalore?” seguido de um “Bem vindo a India” após darem risadas do novato leitinho com pêra e ovomaltino geladinho na geladeira falando de como achava Bangalore caótica.

A medida que fui conhecendo um pouco dos projetos passados/atuais da IDIOM fui tomando ciência da complexidade e dos prazos apertadíssimos que eles lidam aqui. Um deles, o Food Park, com um deadline de 9 dias e eles nem sequer haviam começado ainda, o que rendeu mais um “Bem vindo a India” ao notarem me expressão de “WTF?!” ao ver o que precisava ser feito/deadline. Fizeram o BRANDING E TODA A COMUNICAÇÃO VISUAL de um projeto que envolverá a India inteira em 9 fucking dias.

Fui bem vindo 2 vezes em 2 dias. Hoje foi o terceiro “Bem vindo” que recebi.

Durante o dia estive em Tumkur, atendendo a cerimônia de abertura do complexo chamado Food Park. Um dos projetos mais ambiciosos em termo de escala e supply chain/value que já vi. A idéia é um espaço imenso (100 acres aproximadamente) aonde irá se plantar, colher, selecionar, processar, embalar, produzir e vender alimentos de todo tipo para a India INTEIRA. Vale lembrar que a India “inteira” é um mercado potencial de 1.6 bilhões de habitantes. Isso são 8 “Brazis” de população. Qualquer projeto que tenha a India inteira como escala é algo megalomaníaco, no mínimo, de se conceber.

O primeiro ministro Indiano atendeu a cerimônia e demonstrou ser um excelente orador. Apesar de não falar inglês, pude perceber pela reação das pessoas a minha volta. Muitas deram risadas. Ele pareceu ser um orador bem humorado. Não lembro quando foi a última vez que ri vendo um discurso de algum político brasileiro. Percebi que por detrás de todo protocolo de um chefe de estado, existia espaço para um pouco de descontração e bom humor.

Hoje tive uma oportunidade única. Pude experimentar em primeira mão um pouco de como é a política na India e seus protocolos e rituais.

Sobre o food park, somente tempo e trabalho duro irão dizer o quanto ele irá impactar a vida de bilhões de Indianos. Irei com certeza acompanhar este empreendimento de escala inédita na India.

Eu estou aqui fazem 9 dias. Esses 9 dias fizeram o gentil favor de me lembrar de como o mundo é imenso, os desafios são enormes, mas as oportunidades, ah! Essas sim são infinitas!

Bem vindo a India! =)

21
set
14

India

Finalmente India!
Calma caro leitor! Não pirei na little potato! Estar na India fazia parte dos meus planos desde 2013. Foi tudo parte de um plano friamente calculado.
Como já é sabido, em 2012-2013 estive em Nova Iorque estudando através do Ciência sem fronteiras. Lá conheci diversas pessoas e fiz alguns amigos e contatos. Através de um professor que tive por lá (Dr. Carlos Teixeira) consegui uma oportunidade de estagiar em um dos maiores escritórios de Design da India – IDIOM, localizado em Bangalore.
Sendo assim, foi apenas uma questão de tempo e planejamento – economizei o máximo de dinheiro possível da bolsa para ter uma reserva para viagem e ao voltar para o Brasil, me formei o mais rápido possível e BAM! Cá estou, de Bangalore, fim de expediente, escrevendo essas humildes e sinceras palavras.

Estou na India aproximadamente uma semana e já pude me familiarizar melhor com o local e o ritmo das coisas. Aqui é tudo muito frenético, especialmente no escritório. Aqui se trabalha dois sábados por mês e é perfeitamente normal se trabalhar mais do que a jornada diária. A IDIOM possui uma demanda gigantesca (por volta de 35 projetos acontecendo simultaneamente) para uma equipe de aproximadamente 80 pessoas. A empresa é bem multidisciplinar e é focada em Design – Research, Branding, Retail, Interior, Graphic, Product, Communication e outros tipos de design que ainda não descobri. Ainda irei aprender muito sobre a empresa nos próximos meses. 1 semana de trabalho e já aprendi um bocado de coisas.

Minha rotina está ótima. Acordo todo dia as 6 da manhã, caminho um pouco, compro café da manhã (a comida é simplesmente sensacional) e vou para o escritório. Sim, aqui se come com a mão na maioria dos locais e também se acha carne de boi! A região que estou se chama Karnataka e é parte do sul da india, com predominancia católica. É bem comum achar igrejas (umas bem bonitas) por aqui.

Sempre acabo sofrendo BULIM no escritório pois começo a tossir alto quando como algo apimentado (ou seja, basicamente tudo). Indianos são tipo mexicanos, o que é apimentado para pessoas normais é normal para eles. Algo considerado apimentado na India seria como ácido sulfúrico no Brasil.

Melhor café da manhã já existente!

Melhor café da manhã já existente!

Não tive tempo para turismo ainda. Estou num projeto com deadlines bem apertadas e passarei o fim de semana trabalhando, mas por incrível que pareça, estou muito feliz com isso. Estou aprendendo muitas coisas novas e apesar de estar aqui por 1 semana, já sou tratado como funcionário – já me colocaram pra por a mão na massa e executar partes importantes do projeto, como mapear a jornada do usuário e traduzir visualmente as informações levantadas para apresentar ao cliente segunda feira. Assim que tiver mais tempo irei postar mais a respeito da região!

19
ago
14

Guild Wars 2 – Breve Análise

Olá Internet!

Estava eu já, por tempos, devendo este post. Havia pensando há tempos a respeito do MMO Guild Wars 2 e por quais motivos eu o considero o melhor MMO que eu já pude jogar. Joguei alguns MMOs até hoje (incluindo World of Wacraft, Priston Tale, Silk Road, Ultima Online, Star Wars Old Republic, Lineage II e Defiance). Vale destacar que os que mais joguei foram World of Warcraft e Guild Wars 2.

Guild Wars 2 é um jogo de fantasia em terceira pessoa (como a grande maioria dos MMOs) que insere o jogador no mundo de Tyria. A ameaça de um dragão ancião é o ponto principal da história.

"Yes, you! Come join me and save Tyria!"

“Yes, you! Come join me and save Tyria!”

Para mim o principal diferencial do guild wars 2 é uma característica determinante nas tomadas de decisões por parte dos game designers, que é a cooperação. Cooperar mutuamente com amigos ou completos estranhos é necessário e recompensador. As mecânicas e features do jogo, foram criadas com o intuito de recompensar os jogadores por cooperarem entre si. Esqueça “ninja loot” ou “node camping”, práticas comuns em MMOs, em que um jogador do seu grupo pode roubar um item (os famosos Hunters dando NEED rolls em armas com atributos de outras classes no World of Warcraft depois de matar aquele boss que leva 1 semana para dar respawn) o que gerava frustração, discussões e até mesmo brigas entre guildas ou pessoas aleatórias que você resolvia jogar.

A maneira em como as regras para grupos, recursos naturais e interações em geral são construídas no Guild Wars 2 evitam a maioria dos problemas que já experienciei em outros jogos. Não é possível roubar o loot de ninguém (ele é gerado individualmente para cada jogador), os recursos naturais (minérios e outros para profissão) são gerados individualmente nos mapas, então não se preocupe em correr atrás dos minérios no mapa – eles ficarão lá até a hora que decidir pegá-los. Evitando node camping e até mesmo problemas quando se joga com um amigo que possui a mesma profissão que você e consequentemente necessita dos mesmos recursos. Se você ver um jogador aleatório lutando com monstros que você precisa para completar um objetivo, o normal seria pular para outro monstro ou convidá-lo para o seu grupo (e dividir o loot, o que desestimula e muito fazer grupos com estranhos, no caso de World of Warcraft). No Guild Wars 2 basta atacar o monstro e ambos ganham experiência e itens, sendo do mesmo grupo ou não. Caso o azarado jogador morra, ao ressuscitá-lo, é recompensado com uma pequena quantia de experiência. Pequenas mecânicas como essa, somam e fazem uma diferença enorme na interação entre os jogadores – ao invés de um potencial estranho que pode roubar ítens e recursos, eu vejo um aliado que vai me ajudar e tornar aquela missão/objetivo mais fácil, sem perder nada com isso. Sem “dividir o XP” ou o “loot”. Apenas recompensas e nenhuma punição por se juntar com outros jogadores, o que na minha opinião, deveria ser algo que todo MMO deveria ter como prioridade. Juntar jogadores e não dividí-los.

Tirando outras mecânicas bacanas como os “eventos dinâmicos”, que por si só mereciam um post inteiro, existe a parte hardcore e menos casual – as dungeons e mega-bosses. As dungeons funcionam como na maioria dos MMOs, você junta um grupo (neste caso 5) e passa por uma dungeon com bosses e desafios que só podem ser superados em grupo. A diferença é que no Guild Wars 2 não existe o já manjado e entediante “Tank, Healer e DPS” como nos MMOs tradicionais. Lembro que no World of Warcraft perdia-se horas e mais horas na fila, esperando um “tank” entrar no grupo, pois era um papel que poucos faziam, devido a restrições de classe. Na maioria das dungeons e raids, tendo tanks e healers decentes era mais do que o suficiente para matar um chefão. No Guild Wars 2 a história é outra. O grupo de 5 jogadores são igualmente importantes, aonde todas as classes possuem habilidades únicas, mas todas possuem um grau de suporte e controle no grupo. Não preciso ser da classe “X” para ressuscitar um amigo, qualquer classe pode fazer isso. Não preciso de “healer específico”, pois todas as classes possuem cura individual (e algumas em grupo). Dependendo da situação, se um membro do grupo morrer e não conseguir ser ressuscitado, independente do papel dele, o grupo todo pode estar condenado. Isso acaba com a noção de “jogadores mais importantes” (como os healers e tanks, que se não souberem muito bem jogar, não importa o quão bom os outros sejam, condenarão o grupo todo) enquanto que ao dividir a responsabilidade do sucesso com todos os jogadores do grupo, permite uma maior flexibilidade e reforça a idéia de “jogar em grupo, como um grupo”.

Toquei em pontos específicos e fui menos generalista. Existem muitas coisas a mais para se falar do jogo, mas acho que a principal é a abordagem que os designers da Arena Net tiveram ao repensar algumas das mecânicas de combate e interação entre os jogadores – a criação de um sistema que estimula e recompensa a cooperação e a formação de grupos espontâneos, permitindo uma interação potencialmente mais divertida e menos prejudicial entre os jogadores.




Aterro Sanitário

Lixo da Vez - Ronaldo o FENOMENO?!

Oi, queria agradecer ao espaço cedido pelo amigo e também entusiasta da copa, Bocadoogro.
Vocês sabem que eu sempre fui brasileiro desde que nasci no Brasil. Gosto muito do brasil e vou curtir muito assistir a copa do meu telão de cinema na minha casa lá na europa.

Mas vim aqui para um assunto mais importante. Essa palhaçada toda de protesto a respeito de usar dinheiro da copa para fazer hospital. Amigo, repito e disse, não se faz copa com hospital! Precisamos de estádio. Esse dinheiro que foi pro estádio não iria para hospital. Se não fosse pela copa o estádio nem o hospital existiria.

Vocês reclamam de hospital, não entendo! Sempre que fico gripado ou preciso de médico o Sírio-Libânes tá lá de boa. Não entendo essas reclamações. Neste ponto eu apoio meu amigo Pelé, grande sábio. Vamos esquecer essas bobeiras e focar na copa.

Grande abraço para vocês, do Ronaldinho Fenômeno.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.